Estudo recomenda reavaliação de instrumentos e políticas de convergência económica em Portugal

O relatório final do estudo indica que a estratégia governativa adotada não permitiu superar “estrangulamentos estruturais” das abordagens territoriais.

Ana Abrunhosa

Um estudo encomendado pelo Governo à Quaternaire sobre a convergência e coesão territorial em Portugal recomenda a que sejam reavaliados os instrumentos e políticas adotadas para acelerar a convergência económica das regiões face à média europeia. O relatório final do estudo indica que a estratégia governativa adotada não permitiu superar “estrangulamentos estruturais” das abordagens territoriais.

O estudo “Avaliação da Operacionalização da Abordagem Territorial do Portugal 2020” recomenda a que, na preparação do período de programação 2021-2027, o Governo pondere “a mais valia de cada uma das tipologias de instrumentos para a prossecução dos objetivos de coesão e convergência”, bem como o mix de políticas envolvidas na Abordagem Territorial, para que se possa “reforçar a sua eficácia em termos de ganhos adicionais para a convergência económica das regiões portuguesas face à média europeia”.

Isto porque, de acordo com o estudo, apresentado esta terça-feira no seminário da Agência para o Desenvolvimento e Coesão (AD&C) sobre a avaliação do impacto dos fundos europeus, as medidas de convergência e coesão adotadas, apesar de terem contribuído para explorar o potencial de desenvolvimento de todos os territórios e reduzir as assimetrias regionais no Continente, não conseguiram resolver problemas estruturais.

“Se a um tempo [esta abordagem] permitiu uma passagem da conceção à execução num quadro de relativa segurança institucional e programática, potencialmente mais facilitadora da execução, por outro lado, não permitiu superar estrangulamentos estruturais das abordagens territoriais no âmbito da Política de Coesão em Portugal”, lê-se no estudo da Quaternaire.

Os autores do estudo notam que a esta situação acresce, que a “pulverização de instrumentos nos territórios, tanto em contexto urbano como rural, reduz o impacte potencial das abordagens”, dada a reduzida escala financeira das intervenções. Isso, agrava os custos de implementação e dificulta a governança multinível”, sublinham.

O estudo defende por isso que, na definição do modelo de Abordagem Territorial a seguir, deve ser ponderado o reforço da dimensão económica e de “valorização das cadeias de valor regionais a partir instrumentos de políticas integradas de base territorial de âmbito intermunicipal”.

O relatório da Quaternaire defende ainda a necessidade de se desenvolver “um novo conjunto de instrumentos de políticas integradas” para intervir nos domínios da “competitividade e convergência económica, podendo abranger mais do que uma sub-região (de uma ou mais regiões) ou considerando a globalidade da escala regional”.

Ler mais
Recomendadas

PCP propõe cancelar leilão do 5G e criação de um operador de telecomunicações público

PCP considera que o 5G representa uma oportunidade de criar “um serviço público e universal de telecomunicações em Portugal”. Por isso, propõe “uma mudança estratégica no desenvolvimento do setor das telecomunicações”.

Iniciativa Liberal quer que lugares de topo nas entidades reguladoras sejam escolhidos por concurso internacional

A medida consta de um projeto de lei apresentado por João Cotrim Figueiredo, que visa reforçar a independência dos reguladores face “aos reguladores e ao poder político” e assegurar uma “maior abrangência” e maior “nível de competência” das instituições.

Primeiro-ministro francês pede que não se baixe guarda perante ressurgimento da doença

O primeiro-ministro francês pediu esta segunda-feira aos franceses e aos serviços do Estado que “não baixem a guarda” face ao ressurgimento da Covid-19, para que não seja preciso voltar a impor um “confinamento geral”.
Comentários