Ethiopian Airlines garante investigações sobre o acidente que vitimou 157 pessoas

A construtora do modelo de avião que se despenhou hoje na Etiópia, a norte-americana Boeing, também foi chamada para acompanhar as investigações que agora se vão desenvolver para apurar as causas deste trágico acidente.

No seu último boletim no respetivo ‘site’ oficial, a companhia aérea Ethiopian Airlines, garante que vai desenvolver investigações para apurar as causas do acidente de aviação, que vitimou, hoje de manhã, de forma mortal, 157 pessoas – 149 passageiros, mais oito tripulantes.

Datado das 18h20m, hora de Portugal, este é o quarto boletim informativo da Ethiopian Airlines no seu ‘site’ oficial durante o dia dew hoje, dia 10 de março, na sequência do trágico acidente ocorrido no voo ET302, que deveria ter ligado a capital da Etiópia, Adis Abeba, à capital do Quénia, Nairobi.

Nesse boletim informativo, a companhia aérea etíope garante que as investigações sobre a causa deste acidente serão efetuadas em colaboração com a Ethiopian Civil Aviation Authority (congénere da nossa ANAC – Autoridade Nacional da Aviação Civil), com a Ethiopian Transport Authority (equivalente à AMT – Autoridade da Mobilidade e dos Transportes em Portugal), e com todos os ‘stakeholders’ da companhia, incluindo a construtora norte-americana de aeronaves, a Boeing, que produziu o modelo que hoje se despenhou a cerca de 60 quilómetros da capital da Etiópia.

Recorde-se que o avião que se despenhou era um Boeing 737-8 MAX, um dos mais recentes a cruzar os ares em todo o mundo.

Além da questão do apuramento das causa deste acidente, a Ethiopian Airlines garante que “mal as identidades dos falecidos sejam conhecidas, os seus corpos serão entregues às suas famílias e às suas pessoas queridas”.

Recomendadas

Governo já pagou 268 milhões de euros às empresas através do programa Apoiar.pt

“Temos, no acumulado da primeira e da segunda tranche, cerca de 268 milhões de euros pagos”, afirmou João Neves.

Supremo confirma prisão do antigo presidente do Banco Privado

A pena de prisão efetiva de João Rendeiro só se vai concretizar após trânsito em julgado. O antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) foi condenado a cinco anos e oito meses de prisão por vários crimes de falsidade informática e falsificação de documentos.

‘Intelligent edge’ é a próxima revolução no mundo dos negócios

Ao trazer poderosos recursos de computação para mais perto de onde os dados são originados e precisam de ser consumidos, este salto tecnológico liberta todo o potencial para acelerar a 4ª Revolução Industrial.
Comentários