EUA adotam sanções contra nove entidades chinesas por violações de direitos humanos

Estas novas nove entidades “são cúmplices de violações de direitos humanos e abusos cometidos durante a campanha de repressão, detenções arbitrárias em massa, trabalho forçado e vigilância com recurso a alta tecnologia”.

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos anunciou hoje ter adotado sanções comerciais contra nove entidades chinesas por cumplicidade em violações de direitos humanos da comunidade uigur na China.

Um instituto científico do Ministério da Segurança chinês e oito empresas foram colocados na lista negra de Washington, que lhes impôs, nomeadamente, “restrições de acesso à tecnologia americana”, indica o Departamento de Comércio, em comunicado.

Em outubro do ano passado, os Estados Unidos colocaram 28 organizações governamentais e comerciais chinesas na mesma lista, acusando-as de estarem implicadas na campanha de repressão contra a minoria muçulmana uigur e outras etnias.

Estas novas nove entidades “são cúmplices de violações de direitos humanos e abusos cometidos durante a campanha de repressão, detenções arbitrárias em massa, trabalho forçado e vigilância com recurso a alta tecnologia contra os uigures, os cazaques e outros grupos minoritários muçulmanos na região autónoma uigur de Xinjiang”, acrescenta a mesma fonte.

Os Estados Unidos e numerosas organizações de defesa dos direitos humanos acusam a China de deter mais de um milhão de membros da comunidade uigur em “campos de reeducação” situados naquela região, situada no extremo oeste do país, junto à fronteira com o Paquistão e o Afeganistão.

A China desmente e diz que se trata de centros de formação profissional destinados a ajudar aquela população a encontrar emprego e a desviá-la do islamismo e do terrorismo.

Em 2019, a região autónoma de Xinjiang foi palco de confrontos violentos e mortais entre a minoria uigur e o governo central de Pequim, que partilham uma longa história de discórdia.

Nas últimas décadas, a região presenciou uma intensa migração de chineses de etnia han, dominante, que, segundo a BBC, já compõem cerca de 40% da população de Xinjiang, enquanto os uigures representam 45%.

As novas sanções acontecem num momento de tensão entre os Estados Unidos e a China, no contexto da pandemia de Covid-19.

Ler mais
Recomendadas

PremiumDominic Cummings: Um conselheiro de quem Boris Johnson recusa qualquer distanciamento

O estratego do Brexit nem sequer necessitou de ser eleito para ser o aliado de eleição do primeiro-ministro britânico. Ao ponto de ser mantido em funções após ser revelado que violou, sem sombra de arrependimento, as regras de confinamento durante a pandemia de Covid-19.

Covid-19: Número de mortos aproxima-se dos 370 mil a nível mundial

O número de mortos causados pela covid-19, doença com origem no novo coronavírus Sars-CoV-2, fez pelo menos 369.086 mortos em todo o mundo, depois de aparecer em dezembro na China, segundo números da agência France-Presse.

Espanha vai prorrogar estado de alerta até 21 de junho

O chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, anunciou hoje a “última prorrogação” do estado de alerta, que permite limitar a circulação das pessoas durante o desconfinamento progressivo do país, até 21 de junho.
Comentários