EUA: coronavírus não prejudica, por enquanto, a ‘phase 1’ do acordo comercial com a China

O secretário do tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, reconhece que o coronavírus pode atrasar o início das negociações sobre o aprofundamento do acordo comercial com Pequim, mas garantiu não estar preocupado com esse cenário.

Os Estados Unidos não esperam por enquanto um impacto negativo do coronavírus no ‘phase 1’ do acordo comercial com a China, segundo declarações do secretário do tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, à Reuters, esta segunda-feira.  Washington admite, contudo, que a situação possa mudar nas próximas semanas, à medida que mais informação sobre o surto vá sendo disponibilizada.

“Não espero que [o coronavírus] tenha implicações na ‘Phase 1’. Com base em tudo o que sabemos e onde está o vírus agora, não espero que seja surja alguma implicação negativa”, disse Mnuchin, admitindo “que isso pode mudar à medida que a situação se desenrola”.

O secretário do tesouro norte-americano reconheceu que o coronavírus pode atrasar o início das negociações sobre o aprofundamento do acordo comercial com Pequim, mas garantiu não estar preocupado com esse cenário.

A situação relativa ao coronavírus é preocupante, apesar de se contarem 25.077 casos de pessoas que estavam infetadas e recuperaram. O número de casos confirmados com coronavírus já subiu para 79.360 pessoas infetadas, sendo que o número de mortos ascende a 2.619.

O número de casos de contágio por coronavírus fora da China aumentou durante o fim-de-semana, em particular no Japão, Coreia do Sul, Irão e Itália. Além da situação vivida em Itália, na Coreia do Sul o número de casos confirmados é de 763.

Depois de um extremar de posições e de o afirmar de uma guerra comercial, Estados Unidos e a China assinaram um primeiro acordo comercial em 15 de janeiro.  A assinatura da ‘Phase 1’ do acordo comercial foi entendido pelos investidores como um sinal de progresso.

Com este primeiro passo, Pequim espera aumentar as importações de bens e serviços para os EUA em 200 mil milhões de dólares e Washington, em troca, vai reverter algumas das tarifas alfandegárias impostas a produtos chinesas. O documento  também prevê o aumento de 54 mil milhões de dólares em importações de energia, 78 mil milhões de dólares em produtos fabricados e 38 mil milhões de dólares de importações adicionais em serviços.

Ler mais

Relacionadas

Comissão Europeia avalia livre circulação no espaço Schengen devido ao coronavírus

A hipótese de levantar restrições à livre circulação no espaço Schengen surgiu depois de o número de infeções por coronavírus ter disparado em Itália. A Itália é o país da Europa com mais infeções e o quarto a nível mundial, contando já com 130 casos confirmados e quatro mortos.

Refúgio em tempo de coronavírus: preço do ouro atinge máximos de sete anos

O preço de uma onça de ouro, para entrega em abril, sobe 2,12% para 1.683 dólares, um nível tocado pela última vez em fevereiro de 2013.

PSI 20 desce 2,38% numa Europa assustada com o espalhar do coronavírus

As principais bolsas europeias perdem mais de 2% e Lisboa não é excepção, com os investidores a mostrarem nervosismo com o espalhar do surto do coronavírus. Itália é o foco na Europa, com a bolsa de Milão a afundar mais de 4%.
Recomendadas

Covid-19. 50 ventiladores e mais material médico encomandados pela EDP devem chegar esta semana

“Conseguir o material mais crítico nesta luta de todos contra a pandemia foi possível pelo nosso compromisso e pelo apoio decisivo da China Three Gorges e da embaixada portuguesa na China”, disse António Mexia, CEO da EDP, em comunicado.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.

Pais apoiam solução da escola por TV Cabo mas querem mais medidas

“Este pode ser um instrumento que ajuda a minimizar as diferenças e desigualdades entre escolas e famílias, mas não vale o problema de interação entre o professor e o aluno, que precisa de ‘feedback’ para assuntos que não percebeu ou para problemas que resolveu”, disse à Lusa Jorge Ascenção, presidente da Federação Nacional das Associações de Pais (Confap).
Comentários