EUA cortam programas de intercâmbio com a China considerados “ferramentas de propaganda”

O Departamento de Estado norte-americano anunciou esta sexta-feira que cortou cinco programas de intercâmbio financiados pela China com os Estados Unidos, ao quais chama de “ferramentas de propaganda”.

Os cinco programas em questão eram conduzidos ao abrigo de uma lei norte-americana chamada MECEA, que permite aos funcionários do Governo dos EUA viajar utilizando fundos de um governo estrangeiro, e foram “disfarçados de intercâmbios culturais”, segundo o Secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, em comunicado.

Contudo, “enquanto outros programas fundados sob os auspícios da MECEA são mutuamente benéficos, os cinco programas em questão são totalmente financiados e operados pelo Governo da República Popular da China como instrumentos de propaganda”, afirma Pompeo.

“Proporcionam um acesso cuidadosamente elaborado aos funcionários do Partido Comunista da China, não ao povo chinês, que não goza de liberdade de expressão e de reunião”, refere ainda.

Sob a administração de Donald Trump, os Estados Unidos lançaram uma guerra comercial com a China, viram frustradas as suas ambições territoriais nas águas disputadas do Mar do Sul da China, criticaram a repressão de Pequim ao movimento pró-democracia em Hong Kong e condenaram a gestão inicial por parte dos chineses da pandemia do novo coronavírus, que começou em Wuhan em finais de 2019 e se espalhou por todo o mundo.

Recomendadas

Donald Trump vai abandonar Washington horas antes da investidura de Biden

Donald Trump, que tinha anunciado na sexta-feira que não compareceria à cerimónia de investidura de Joe Biden, voará para o seu clube em Mar-a-Lago, na Flórida, de onde deverá assistir televisivamente à tomada de posse de Biden, na companhia de alguns assessores.

“Correu tudo mal”. Escândalo com abonos de família leva a demissão do Governo dos Países Baixos

Depois de ser conhecido o escândalo que envolveu milhares de famílias falsamente acusadas de fraude na atribuição de abonos, o executivo de Mark Rutte acabou por se demitir, apesar do primeiro-ministro ter inicialmente manifestado uma vontade contrária. O Governo ficará agora em gestão até às eleições de março.

Multimilionários estão 1 bilião de dólares mais ricos e contrariam queda da economia global

Com uma previsão de contração do PIB de 4,4% em 2020 e as economias mundiais a afundar consideravelmente, os multimilionários viram as suas fortunas a crescer em vários mil milhões de euros.
Comentários