EUA cortam programas de intercâmbio com a China considerados “ferramentas de propaganda”

O Departamento de Estado norte-americano anunciou esta sexta-feira que cortou cinco programas de intercâmbio financiados pela China com os Estados Unidos, ao quais chama de “ferramentas de propaganda”.

Os cinco programas em questão eram conduzidos ao abrigo de uma lei norte-americana chamada MECEA, que permite aos funcionários do Governo dos EUA viajar utilizando fundos de um governo estrangeiro, e foram “disfarçados de intercâmbios culturais”, segundo o Secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, em comunicado.

Contudo, “enquanto outros programas fundados sob os auspícios da MECEA são mutuamente benéficos, os cinco programas em questão são totalmente financiados e operados pelo Governo da República Popular da China como instrumentos de propaganda”, afirma Pompeo.

“Proporcionam um acesso cuidadosamente elaborado aos funcionários do Partido Comunista da China, não ao povo chinês, que não goza de liberdade de expressão e de reunião”, refere ainda.

Sob a administração de Donald Trump, os Estados Unidos lançaram uma guerra comercial com a China, viram frustradas as suas ambições territoriais nas águas disputadas do Mar do Sul da China, criticaram a repressão de Pequim ao movimento pró-democracia em Hong Kong e condenaram a gestão inicial por parte dos chineses da pandemia do novo coronavírus, que começou em Wuhan em finais de 2019 e se espalhou por todo o mundo.

Recomendadas

UE espera presença dos Estados Unidos em reuniões europeias já neste semestre

A União Europeia espera que responsáveis da administração de Joe Biden participem nos conselhos de ministros europeus durante a presidência portuguesa e assegura não ter recebido qualquer reclamação de Washington sobre a conclusão do acordo de investimento UE-China.

Armin Laschet eleito líder da CDU na Alemanha

O governador da região mais populosa da Alemanha foi eleito, à segunda volta, com mais de metade dos votos, sucedendo a Annegret Kramp-Karrenbauer e colocando-se como potencial candidato a chanceler nas eleições de 2021.

Moody’s diz que África subsaariana tem “desafios económicos severos” em 2021

A agência de notação financeira Moody’s alertou hoje que a África subsaariana vai enfrentar “desafios económicos severos” este ano devido à crise agravada pela pandemia de covid-19, com a dívida pública a subir para 64%.
Comentários