EUA esperavam 1,5 milhões novos empregos em julho. Foram criados apenas 167 mil

Número fica bem abaixo dos 1,5 milhões de novos empregos que os especialistas apontavam para este período nos EUA.

A ADP, consultora de recursos humanos, apresentou um estudo no qual conclui que se criaram apenas 167 mil postos de trabalho nos EUA em julho, reporta o El Economista. O número fica bem abaixo dos 1,5 milhões de novos empregos que os especialistas apontavam para o período.

O ressurgimento de surtos e o contexto de incerteza que paira sobre a economia norte-americana deixavam antecipar números do emprego menos contundentes do que em maio e junho, quando os Estados começaram a reabrir e recuperar grande parte dos negócios, mas o número avançado pela consultora fica muito aquém das expectativas para a criação e emprego, especialmente numa altura em que há ainda milhões de desempregados por conta da Covid-19 e dos seus efeitos nas atividades económicas.

O aumento é suportado sobretudo pelas grandes empresas, que criaram 129 mil postos, e pelas pequenas, onde se verificam mais 66 mil empregos. No entanto, nas empresas de média dimensão (entre 50 e 499 empregados), foram destruídos 25 mil postos de trabalho.

Recomendadas

Fisco vai anular multas de 75 euros a trabalhadores independentes que esperam apoio extraordinário

A denúncia partiu hoje da Precários Inflexíveis, dando conta que muitos destes trabalhadores relataram à associação não conseguir submeter o pedido para o apoio relativo a julho, devido ao prazo curto para submeter o requerimento (uma semana, sem aviso prévio) e o tempo que leva a ser confirmada a reabertura de atividade.

Programa Valorizar apoia 24 projetos no Ribatejo e Alentejo em 7 milhões de euros

O apoio abrange projetos nas áreas do autocaravanismo, turismo literário, praias fluviais, estações náuticas, enoturismo e recursos endógenos.

Receita de IRC passa para níveis de 2014. São menos 1,5 mil milhões em 2020

“Andámos seis anos para trás em termos de receita do IRC”, diz Renato Carreira, Tax Partner da Deloitte. Fiscalista recorda que rombo na receita fiscal é em grande parte explicado pelo adiamento dos pagamentos por conta que só serão feitos pelas empresas se no final do ano tiverem lucros que os justifiquem. E a previsão é mais empresas com mais prejuízos, logo menos impostos a entrarem nos cofres do Estado.
Comentários