Biden e Trump defrontam-se pela primeira vez. Pandemia, tensão racial e impostos do presidente são os temas quentes

Com o aproximar das eleições presidenciais norte-americana, o primeiro debate realiza-se no meio de uma grande tensão política e social nos EUA, dada a pandemia e os protestos raciais que se seguiram à morte de George Floyd.

Realiza-se na madrugada de terça para quarta-feira o primeiro debate presidencial para as eleições norte-americanas de 2020, opondo o candidato democrata e ex-Vice-Presidente de Obama, Joe Biden, ao atual Presidente dos EUA, Donald Trump.

Numa altura em que a campanha chega à reta final e decisiva, o debate deverá ser dominado pelos vários tópicos quentes da política e sociedade americana. Os EUA têm vivido, há vários meses, protestos raciais espalhados pelo país na sequência da morte de vários afro-americanos às mãos da polícia, isto enquanto o país se debate com o maior número de infetados por Covid-19 no mundo, além de mais de 200 mil mortes pela doença.

Outro dos temas que se antecipa terá relevo na discussão é a nomeação para o Supremo Tribunal depois da morte de Ruth Bader Ginsberg, mas o último ponto forte a surgir antes do debate prende-se com as declarações de impostos de Trump.

Depois de anos de interrogações sobre a situação fiscal do presidente, que, ao contrário dos seus antecessores, se recusou a tornar públicos os seus impostos, o NY Times divulgou na passada segunda-feira um conjunto de documentos a que teve acesso e que mostram que Trump não pagou impostos em 10 dos últimos 15 anos, além de ter pagado 750 dólares, ou 640 euros, de imposto federal sobre o rendimento em 2016. A coleta média para este imposto nos EUA é 8.367 dólares, ou 7.149 euros.

O debate é visto como mais decisivo para Joe Biden, cuja imagem é ainda menos definida junto de grande parte do eleitorado do que a de Trump. Para os analistas, caso Biden seja capaz de mostrar competência sem alienar o eleitorado independente e moderado poderá marcar pontos numa corrida apertada e ainda longe de estar decidida.

A compilação das sondagens presidenciais feita pela FiveThirtyEight mostra Biden a liderar por sete pontos, com 50,2% das intenções de voto contra 40,1% para Trump. Ainda assim, estados considerados chave como a Florida (47,9% para Biden e 46,1% para Trump), Ohio (48% para Biden contra 47% para Trump) ou a Carolina do Norte (47,5% para Biden, 46,3% para Trump) mostram-se quase empatados nas sondagens. Uma sondagem da Reuters com a Ipsos aponta para 9% dos prováveis eleitores como indecisos.

O debate contará com a moderação de Chris Wallace, pivô da Fox News, e realizar-se-á com uma audiência reduzida e segundo as medidas de contenção da Covid-19.

Ler mais
Recomendadas

Japão promete neutralidade de carbono até 2050

O primeiro-ministro nipónico não apresentou um calendário específico para alcançar este equilíbrio entre as emissões de gases com efeito de estufa e a sua absorção, mas mencionou a importância da tecnologia.

Estado australiano foco da pandemia levanta confinamento a partir de terça-feira

O confinamento foi decretado em julho, quando o número de novos casos era de cerca de 190 por dia, número que subiu para 700 em agosto.

Alemanha regista 8.685 novas infeções nas últimas 24 horas

O número de novas infeções registadas hoje é o dobro dos 4.325 novos casos contabilizados na segunda-feira da semana passada.
Comentários