Irene Mia: “EUA vão chegar ao fim do ciclo económico em 2020, com uma leve recessão”

A duas semanas de vir a Portugal para o Lisbon Summit 2018, a diretora editorial global do The Economist Intelligence Unit, explicou ao Jornal Económico que a desaceleração da economia norte-americana não é preocupante, se comparada com o risco de políticas comerciais “erráticas” e retórica “perigosa” de Donald Trump.

Num mundo cada vez mais ligado, incertezas políticas sobre temas como protecionismo ou populismo são os principais riscos para a continuação do crescimento económico global, segundo Irene Mia, diretora editorial do The Economist Intelligence Unit. Prestes a vir a Portugal para o Lisbon Summit 2018, nos próximos dias 13 e 14 de março, Mia identificou os EUA como uma fonte de instabilidade. Sobre Portugal, em entrevista ao Jornal Económico, diz que está otimista, mas lembrou a necessidade de reformas ao nível da produtividade.

“Disrupt and Grow” é o tema central do The Economist Events Lisbon Summit 2018. O que é que isso significa? É necessária disrupção para que haja crescimento económico global?

Os avanços tecnológicos são disruptivos para os modelos de negócios tradicionais em todo o mundo, abrindo novas oportunidades de crescimento económico e comércio. A Lisbon Summit vai examinar como os modelos existentes de gestão e produção em Portugal podem realizar melhor a transformação necessária para acompanhar a economia global em rápida evolução.

No que diz respeito à segunda questão, as disrupções sob a forma de avanços tecnológicos e inovação são, de facto, fundamentais para manter a competitividade e o crescimento, especialmente para países em estágio avançado de desenvolvimento, onde o principal motor de produtividade é a inovação.

Quais são os principais impulsionadores do crescimento económico global?

A receita para a competitividade e o crescimento nacional é bastante complexa e envolve diferentes fatores, incluindo um ambiente institucional transparente e eficiente e um forte estado de direito, infra-estruturas bem desenvolvidas, um ambiente macroeconómico sólido, mercados de bens, trabalho e financeiros eficientes, um ambiente saudável e bem treinado / educado de trabalho, disponibilidade de novas tecnologias, um setor empresarial sofisticado e inovador. Um grande mercado também é uma importante vantagem competitiva. Todos esses fatores tornam o país atraente para o investimento e contribuem para impulsionar o crescimento económico.

Quais são os principais desafios para o crescimento económico sustentável e convergente?

Há muitos desafios, mas diria que hoje em dia possivelmente o maior desafio tem que ver com incerteza política e risco. A economia global parece muito melhor que há anos, o impulso de 2017 continua forte, com uma forte demonstração da economia dos EUA, crescimento mais sólido na área do euro e crescimento contínuo na China e no mundo em desenvolvimento. Os preços mais elevados das commodities também irão apoiar os exportadores dos mercados emergentes. Antecipamos que a economia global cresça 2,9% este ano, de 3% no ano passado.

No entanto, num mundo cada vez mais interconectado, as incertezas políticas, incluindo o possível retorno do protecionismo e o aumento do populismo, podem prejudicar o crescimento.

Como o Portugal se encaixa neste cenário?

Portugal está a beneficiar de uma recuperação cíclica e forte procura externa de grandes mercados de exportação, incluindo Espanha, França e Alemanha. O país também está a desfrutar de um boom do turismo, que aumentou as receitas dos serviços e aumentou os gastos dos consumidores em áreas relacionadas. A economia começou em 2018 com fortes níveis de negócios e confiança dos consumidores, enquanto o desemprego caiu próximo aos níveis anteriores à crise. O facto de que 2017 deverá ter sido o melhor ano para a formação bruta de capital fixo em mais de duas décadas é em parte devido à política monetária acomodatícia do Banco Central Europeu (BCE), mas é provável que as restrições de capacidade e a crescente confiança sejam os fatores mais importantes em 2017. Neste cenário, prevê-se que o crescimento do PIB permaneça acima de 2% este ano, antes de cair ligeiramente em 2019 e abrandando para uma média de cerca de 1,5% em 2020-22, em parte devido a uma desaceleração cíclica leve nos EUA.

Considera que a recuperação económica de Portugal é sustentável? Quais são os principais desafios que enfrenta?

A estrutura da economia portuguesa sofreu uma mudança significativa dos setores não comerciais ​​para os setores comerciais. A importância das exportações na condução da recuperação é um grande alívio quando as exportações são comparadas com a performance em outras áreas. No terceiro trimestre de 2017, as exportações ficaram 38% acima do nível no primeiro trimestre de 2008, enquanto que todas as outras componentes do PIB, exceto as importações, ficam abaixo do nível do primeiro trimestre de 2008. O sentimento em relação à economia portuguesa, refletido nas recentes atualizações do rating da Standard & Poor’s e da Fitch, é mais positivo do que em algum tempo.

No entanto, ainda há grandes desafios a superar. Os altos níveis de dívida pública e privada do país tornam a Portugal vulnerável a outra recessão ou choque externo. O setor bancário está em melhor forma, mas os non-performing loans (NPL) permanecem elevados como parte do total de empréstimos, limitando o crescimento dos empréstimos e permanecendo uma fonte de risco para a estabilidade financeira. Portugal está a crescer ao mesmo ritmo que a Alemanha, apesar de ser uma economia muito mais pobre. Sem mais reformas fundamentais para melhorar os níveis de produtividade, é improvável que isso mude.

O Reino Unido e a UE estão a adaptar-se a uma nova realidade. Como está a ver as negociações Brexit? Qual o impacto que espera da saída do Reino Unido da UE?

Existe um grau significativo de incerteza. O Reino Unido deixará formalmente o mercado único no final do processo do Artigo 50 em março de 2019, de acordo com o voto do referendo de Brexit, mas esperamos um período de transição (em que haverá adesão contínua à maioria das regras da UE) para minimizar a interrupção enquanto as negociações comerciais continuam. As negociações sublinharam uma série de pontos e incertezas sobre a forma da relação após o final do processo do Artigo 50. No entanto, esperamos que o resultado final seja um acordo comercial mais abrangente do que o negociado pela UE e o Canadá em 2016, com enormes incentivos económicos para manter os vínculos comerciais existentes.

Após uma sólida expansão do PIB real em 2017 na zona euro (2,5%), esperamos que o ritmo de crescimento na zona do euro continue a ser semelhante (2,2%), em 2018, antes de desacelerar para um ritmo ligeiramente mais baixo (em torno de 2%) em 2019-22. Embora a recuperação económica cíclica continue, consideramos que o risco político vai permanecer alto, incluindo fragmentação, incerteza quanto ao Brexit e dificuldades em formar governos, mesmo em países que estão a registar taxas sólidas de crescimento económico, como a Irlanda.

Quais são as expetativas para a economia dos EUA? Quais são os principais fatores de crescimento e desafios?

Antecipamos que a economia dos EUA cresça de forma saudável no próximo ano, mas que atinja o fim do atual ciclo económico em 2020, com uma leve recessão. À medida que as restrições de capacidade emergem com mais força no segundo semestre de 2019, a inflação irá acelerar e a Reserva Federal irá sinalizar um aumento acelerado das taxas. Isso levará o consumo e o investimento privado a contraírem por dois trimestres no início de 2020. O nosso cenário de base é de uma recessão leve, com um revés relativamente rápido, com algum relaxamento monetário e estímulo orçamental. Esperamos, portanto, que a economia cresça 0,9% em 2020. No entanto, embora a perspetiva económica seja relativamente benigna, o risco político está nos níveis mais altos em anos, devido ao comércio errático e à política externa do presidente Trump e uma retórica perigosa em relação à Coreia do Norte, o que poderia ter grandes consequências.

O papel dos países emergentes na economia global foi colocado em segundo plano pela recuperação dos países desenvolvidos. Qual o contributo (positivo e negativo) que espera desse grupo para o crescimento económico global?

A longo prazo, os mercados emergentes vão continuar a aumentar a contribuição para o PIB global, impulsionados pela Ásia. O crescimento dos EUA e os preços das commodities mais elevadas vão apoiar as perspetivas no curto a médio prazo, mas outras reformas e medidas são necessárias na maioria deles para reforçar os fundamentos de competitividade, incluindo instituições de reforço, investir em infra-estruturas e melhorar a eficiência do mercado, entre outros.

Como é que a China se encaixa neste cenário?

Acabámos de rever o nosso cenário de linha de base para a China. Antes esperávamos uma mudança para uma diminuição do crescimento do crédito e a acumulação de dívidas no setor empresarial com um abrandamento mais acentuado da economia. No entanto, agora acreditamos que o governo não vai implementar restrições mais apertadas ao crédito e, portanto, esperamos agora um crescimento mais sólido de 6,4% em 2018 (de 5,8% na nossa previsão anterior). À medida que o governo alcance, com sucesso, o objetivo de duplicar o PIB real do nível de 2010 até 2020 (o que exige um crescimento económico médio anual de 6,3% em 2018-20), afastar-se-á da meta do PIB na próxima década. Esperamos que o crescimento diminua para cerca de 5% até o final do período de previsão com um estímulo governamental limitado ao investimento. No entanto, a procrastinação quanto aos desequilíbrios da economia aumenta o risco de uma crise de dívida no médio a longo prazo.

Recomendadas

Novos limites da pesca da sardinha variam entre 1.575 e 4.725 quilogramas

Para as embarcações com comprimento superior a nove metros e inferior ou igual 16 metros o limite é 3.150 quilos (150 cabazes, quando aplicável).

OCDE admite que aumento da inflação pode persistir durante “algum tempo”

OCDE estima que os preços globais das ‘commodities’ em julho e agosto deste ano foram cerca de 55% mais altos do que no ano anterior. Organização admite que os aumentos dos preços das matérias-primas irá “demorar a desaparecer”.

Administradores de insolvência da Groundforce propõem manutenção da empresa

Bruno Costa Pereira e Pedro Pidwell indicam ainda que “se viu interposto recurso, por parte da devedora, da sentença que declarou a sua insolvência, o que, atento o disposto no art.º 209.º, n.º 2, do CIRE, levará a que a nova assembleia de credores para discutir e votar o plano possa não vir a reunir no ‘timing’ que seria desejável”.
Comentários