EUA vão iniciar negociações para novo pacote de ajuda à economia

“Esperamos trabalhar com o Congresso em julho numa base bipartidária (com democratas e republicanos) em toda a legislação que possa ser necessária”, afirmou Mnuchin no discurso que preparou para a sua audição hoje na Câmara dos Representantes, onde vai comparecer com o presidente da Reserva Federal (banco central), Jerome Powell.

A administração norte-americana vai iniciar negociações com os democratas para a aprovação de um novo programa de ajuda à economia que deve concentrar-se nos setores mais frágeis, indicou hoje o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

“Esperamos trabalhar com o Congresso em julho numa base bipartidária (com democratas e republicanos) em toda a legislação que possa ser necessária”, afirmou Mnuchin no discurso que preparou para a sua audição hoje na Câmara dos Representantes, onde vai comparecer com o presidente da Reserva Federal (banco central), Jerome Powell.

Nas últimas semanas, o presidente do banco central tem exortado os legisladores a aprovarem um novo programa de ajuda para acelerar a recuperação económica norte-americana, depois de ter sido adotado em março um pacote destinado a atenuar o impacto da crise causada pela pandemia de covid-19 num valor superior a dois biliões de dólares.

O programa, dirigido essencialmente às empresas e trabalhadores mais afetados, foi depois complementado com apoios às pequenas e médias empresas.

“Estamos a seguir de perto os resultados desses esforços (financeiros) e vemos que as condições estão a melhorar”, afirmou, sem se referir ao recente aumento de casos de covid-19 no país.

Segundo Mnuchin, apesar de uma taxa de desemprego historicamente elevada, a conjuntura vai “melhorar sensivelmente” durante os dois últimos trimestres deste ano.

“A ajuda suplementar deverá ter como alvo as atividades que foram particularmente afetadas pela pandemia e focar-se no emprego”, apontou, citando os setores das vendas a retalho e das viagens “confrontados com um impacto a longo prazo”.

Ler mais
Recomendadas

É oficial: Donald Trump retira Estados Unidos da OMS

“O Congresso recebeu a notificação de que o Presidente retirou oficialmente os Estados Unidos da OMS em plena pandemia”, escreveu no Twitter o senador democrata Robert Menendez. Washington e ONU já confirmaram.

“Gripezinha ou resfriadinho”. Imprensa brasileira relembra declarações de Bolsonaro sobre a Covid-19

Presidente sempre desvalorizou doença, comparando-a a uma “gripezinha” ou “resfriadinho” e promovendo o uso de hidroxicloroquina, que afirma já ter tomado. Reações das redes sociais também merecem destaque na imprensa.

Comprar uma marca de sapatos. Warren Buffett elege “erro mais terrível”

Embora Warren Buffett estivesse errado sobre as perspetivas da Dexter, reconheceu a ameaça que logo afundaria a empresa: os sapatos importados e baratos, vindos de países com baixos salários.
Comentários