Euro deverá manter-se estável em 2019, prevê fintech Ebury

Estudo da Eburay antecipa que a moeda única se manterá estável. Previsão baseia-se na hipótese de que o Banco Central Europeu assinale que estará pronto para aumentar as taxas de juro antes do final de 2020.

Cofre no Banco de Portugal

O euro deverá permanecer relativamente estável face ao dólar em 2019, com uma ligeira apreciação da moeda única no final do próximo ano, prevê um relatório da fintech Ebury. Os autores Enrique Díaz- Alvarez, Matthew Ryan e Roman Zurik explicam que a previsão se baseia na hipótese do Banco Central Europeu (BCE) assinalar que estará pronto para aumentar as taxas de juro antes do final de 2020.

De acordo com o relatório “Revisão das previsões para as moedas do G3” a taxa EUR/USD deverá fixar-se em torno de 1,15, com “uma ligeira apreciação do euro em 2019”.

“Mantemos a nossa aposta numa taxa EUR/USD praticamente estável em 2019, em torno de 1,15. No entanto, prevemos agora uma ligeira apreciação do Euro, até ao final de 2020”, refere.

O relatório da fintech antecipa ainda um ritmo de subidas da Reserva Federal norte-americana mais lento este ano, a que acresce “a antecipada elevada probabilidade de nenhuma subida do BCE até 2020” e a “ausência de sinais de recessão nas principais economias mundiais” como os principais fatores que irão afetar o valor do dólar.

Os analistas antecipam ainda uma ampla recuperação das moedas de mercados emergentes contra o dólar em 2019, enquanto é esperada uma apreciação de longo prazo da Libra face ao Dólar americano e ao Euro, “o que tornaria aquela moeda uma das moedas com melhor desempenho do G10”.

Relativamente a 2018, os analistas apontam que a moeda única perdeu mais de 7% do seu valor durante o ano passado, com o dólar a ganhar terreno e as preocupações sobre o abrandamento económico da zona euro. Paralelamente, apesar de ter perdido terreno no final de 2018, a divisa dos EUA terminou “o ano muito mais forte do que começou”, tendo valorizado face a outras moedas do G10, com exceção do Iene japonês.

Já o valor da Libra no ano passado refletiu a incerteza em torno do Brexit e o receio de uma saída “sem acordo”, o que se refletiu em níveis cerca de 10% abaixo do Dólar norte-americano nos últimos nove meses e gerando uma espiral de queda que desceu, em dezembro, até aos valores mais baixos desde abril de 2017.

Ler mais
Relacionadas

Euro sobe face ao dólar após subida de juros nos EUA

A decisão da Reserva Federal, que subiu na quarta-feira a sua taxa de juro em 0,25 pontos percentuais, já era esperada pelos mercados, mas a bolsa nova-iorquina acabou por terminar em baixa acentuada, com os investidores a manifestarem preocupação após ter sido anunciada a previsão de duas novas subidas no próximo ano.

Declínio do euro é sintoma das falhas da União Monetária, diz Draghi

Num discurso no Parlamento Europeu, o presidente do BCE considerou que “as preocupações sobre a resiliência da arquitetura da UEM e a fragmentação financeira sustentaram essa erosão” do euro.

Draghi: BCE precisa de mais tempo para avaliar efeito de riscos mais negativos

O crescimento da economia da zona euro enfrenta riscos mais negativos, especialmente vindos de fora, mas o BCE quer analisar os impactos antes de reagir. “O Conselho de Governadores vai dar mais tempo a si próprio para avaliar se todos estes fatores de risco afetaram a confiança”, afirmou Mario Draghi.
Recomendadas

PSI20 negoceia no verde impulsionado pela Jerónimo Martins contrariando maré vermelha europeia

O principal índice da bolsa de Lisboa, o PSI 20, regista esta sexta-feira uma subida de 0,81% para 5.395,34 pontos, em contraciclo com as bolsas europeias que negoceiam todas no vermelho.

Dados robustos põem Wall Street em máximos

Na Europa, as bolsas recuperam após os agentes económicos terem antecipado o novo envelope financeiro que o BCE vai apresentar em junho.

Wall Street sem tendência definida. Dona do ‘post-it’ afundou cerca de 13% e arrastou o Dow

No setor industrial, destaque para o tombo de 12,95% da 3M, a empresa que inventou e comercializa os ‘post-it’, o que teve um impacto negativo de 0,4% no Dow.
Comentários