Eurogrupo apoia holandês Frank Elderson para comissão executiva do BCE

Frank Elderson é atualmente diretor executivo de Supervisão do banco central holandês. O novo membro substituirá o luxemburguês Yves Mersch, cujo mandato termina a 14 de dezembro de 2020.

Os ministros das Finanças da zona euro, reunidos esta segunda-feira por videoconferência, deram o seu apoio à candidatura do holandês Frank Elderson para se tornar o novo membro da comissão executiva do Banco Central Europeu (BCE).

“Hoje, o Eurogrupo deu o seu apoio à candidatura de Frank Elderson para se tornar o novo membro da comissão executiva do Banco Central Europeu”, informa a estrutura em comunicado de imprensa após uma reunião realizada à distância dadas as restrições relacionadas com a pandemia.

Frank Elderson é atualmente diretor executivo de Supervisão do De Nederlandsche Bank, o banco central holandês.

O Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia determina que as nomeações para a comissão executiva do BCE são feitas “pelo Conselho Europeu, deliberando por maioria qualificada, de entre pessoas de reconhecida competência e com experiência profissional nos domínios monetário ou bancário, sob recomendação do Conselho”.

Hoje o Eurogrupo deu o primeiro passo para este processo de seleção, seguindo-se a adoção formal (por procedimento escrito) da recomendação da candidatura de Frank Elderson pelo Conselho, que será depois apresentada aos chefes de Estado de Governo da União Europeia.

Depois, o Conselho Europeu consultará o Parlamento Europeu e o Conselho de Governadores do BCE, esperando-se que haja uma decisão final até ao final do ano.

A comissão executiva do BCE é responsável pela execução da política monetária da zona euro, sendo composta pela presidente (Christine Lagarde), vice-presidente (Luis de Guindos) e quatro outros membros, todos nomeados para um mandato não renovável de oito anos.

O novo membro substituirá o luxemburguês Yves Mersch, cujo mandato termina a 14 de dezembro de 2020.

Recomendadas

Prolongamento das moratórias? Só se empréstimos forem também objeto de garantia do Estado, diz BCE

A Assembleia da República enviou para Frankfurt o projeto de lei que foi aprovado na especialidade na semana passada e que estabelece a prorrogação e alargamento das moratórias bancárias no contexto da epidemia de Covid-19, até ao fim do ano. O Parlamento queria um parecer do BCE. Após consideração ponderada desse pedido, o supervisor decidiu não emitir um parecer mas faz comentários ao projeto de lei. “As moratórias ocasionam riscos de estabilidade financeira para os bancos quando os fluxos de caixa não recuperam e os mutuários se tornam insolventes”, alerta BCE.

Paulo Macedo, presidente da comissão executiva da Caixa, ouvido na CPI do Novo Banco. Veja em direto

O presidente da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos está esta quarta-feira no Parlamento para ser ouvido no âmbito da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução. Veja em direto.

Carlos Tavares: “Enquanto o Banco de Portugal atuou apenas como supervisor houve articulação com a CMVM”

A CMVM não podia suspender mais cedo as ações do BES porque não foi informada pelo Banco de Portugal da resolução, defendeu Carlos Tavares. O ex-presidente da CMVM contrariou ainda as informações de Fernando Ulrich sobre a ausência da participação dos credores na recapitalização do Novo Banco. “Os credores foram de facto chamados à capitalização”, disse.
Comentários