Euromoney elege Santander como “melhor banco em Portugal” e BCP como melhor “Investment Bank”

O BCP é o maior banco privado, mas não é o melhor banco. Para a revista Euromoney, o melhor banco é o Santander Portugal. O BCP ficou com o galardão de melhor banco de investimento.

Cristina Bernardo

Segundo a Euromoney é o Santander  o “Melhor Banco em Portugal 2019”, ao passo que o maior banco privado português é o ‘Best Invesment Bank’ em Portugal.

Em cerimónia que teve lugar em Londres, o Santander recebeu, um prémio de “Melhor Banco em Portugal 2019”, atribuído pela revista Euromoney. Na mesma sessão a Euromoney elegeu Millennium bcp ‘Best Invesment Bank’ em Portugal pelo segundo ano consecutivo.

A revista, que comemora este ano o seu 50º aniversário, realçou que a aquisição do Banco Popular “tornou a franquia” Santander “ainda mais difícil de superar no país”. Destaca ainda a conclusão “da integração operacional e tecnológica do Popular em apenas 10 meses”.

Já o Millennium investment banking foi eleito, pelo segundo ano consecutivo, Best Investment Bank em Portugal, pela Euromoney, revista internacional especializada em mercado de capitais. Esta distinção surge no contexto dos Euromoney Awards for Excellence 2019, que esta publicação promove anualmente em diversas categorias.

Os ‘awards’ da Euromoney distinguem as instituições que apresentam os melhores serviços junto dos seus clientes demonstrando liderança, inovação e dinamismo nos mercados onde operam.

Segundo o BCP, o prémio atribuído ao Millennium bcp resulta de um estudo realizado pela Euromoney, com base na opinião expressa em entrevistas a stakeholders e clientes, a nível nacional e internacional.

“A distinção abrange uma área de negócios do Millennium bcp que tem desenvolvido uma excelente metodologia de trabalho, cujo sucesso tem sido amplamente reconhecido. Na base da distinção da Euromoney estão o empenho e a capacidade do Millennium investment banking desenvolver soluções inovadoras e alinhadas com os objetivos e as necessidades dos clientes”, explica o banco liderado por Miguel Maya.

Por seu turno, o banco liderado por Pedro Castro e Almeida, salienta que em 2018, o Santander Portugal teve o resultado líquido mais elevado, face aos bancos que atuam no mercado nacional. “A elevada quota de mercado de novos créditos às pequenas e médias empresas, bem como o impacto na economia através dos apoios realizados no âmbito do IFRRU são dois aspetos bastante relevantes na atividade desenvolvida pelo Santander”, diz o comunicado.

“A contribuir para este prémio esteve também o crescimento de 14,6% do resultado líquido de 2018 para 500 milhões de euros, e um forte incremento do crédito e do apoio dado ao desenvolvimento das pequenas e médias empresas. A Euromoney destaca ainda o aumento do número de clientes digitais, acima dos 30%. A segurança dos resultados foi reforçada pelo facto do ratio Tier-1 ter aumentado para 14,4%, bem acima dos requisitos regulamentares. A rentabilidade dos capitais próprios (ROE) atingiu os 12,4% no final do ano passado”, diz o banco português detido pelo Santander.

A gala Euromoney Awards for Excellence contou com a presença de mais de 500 banqueiros de todo o mundo, tendo o banco sido já distinguido 17 vezes com este prémio.

Ler mais
Recomendadas

Venda da GNB Vida por parte do Novo Banco “reflete o valor de mercado”, defende Fundo de Resolução

“Na avaliação do Fundo de Resolução, o valor da venda correspondeu ao valor da melhor oferta recebida na sequência de um processo de venda aberto e competitivo e reflete, portanto, o valor de mercado, naquele momento, do ativo em causa”, pode ler-se num comunicado enviado hoje pelo Fundo de Resolução às redações.

PSD diz que “começa a ser evidente” necessidade de uma comissão de inquérito ao Novo Banco

Em causa está mais um negócio ruinoso do Novo Banco para o Estado português, desta vez com a venda a preços de saldo de uma seguradora a um fundo detido por um milionário condenado por corrupção. Os social-democratas dizem que comissão de inquérito é essencial para se perceber como forma feitas as compras e vendas de ativos do banco.

ASF esclarece que não se opôs à venda do GNB porque Lindberg não seria o beneficiário final

Supervisor de seguros português reitera que apenas se pronunciou sobre idoneidade e capacidade de assegurar gestão sã da GNB pelo fundo Apax, no qual não detetou ligações com o empresário condenado por corrupção nos EUA.
Comentários