Europa cai em reação a mais uma tensão comercial EUA-China, mas PSI 20 contraria o sentimento

O PSI 20 ganha 0,24%, para 5.143,62 pontos,

O principal índice bolsista português (PSI 20) ganha 0,24%, para 5.143,62 pontos, contrariando as principais praças europeias esta quinta-feira, 16  de maio, dia em que o Eurogrupo reúne para debater a economia da zona euro.

A prejudicar as principais congéneres europeias está a reação dos investidores a mais um obstáculo na já tensa relação comercial entre Estados Unidos e China. O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou na quarta-feira estado de emergência nacional relativamente ao alegado risco das tentativas de roubo de tecnologia norte-americana. Com este estado de emergência, o Estado norte-americano poderá bloquear ou condicionar transações comerciais que supostamente ameacem a propriedade intelectual ou obriguem à transferência de tecnologia.

Esta deverá ser mais uma forma de Washington evitar que empresas chinesas adquiram tencológicas norte-americanas ou formem parcerias. A primeira grande afectada por esta medida será a Huawei que também já reagiu: um porta-voz da empresa disse que os Estados Unidos vão ficar para trás no desenvolvimento do 5G e que este tipo de proibições poderão levantar “questões legais graves”. “A Huawei é a líder incontestável no 5G. Estamos prontos e dispostos a envolver-nos com o governo dos EUA e a propor medidas eficazes para garantir a segurança do produto”, disse o porta-voz da empresa em declarações à CNBC.

Em Lisboa, a época de resultados prossegue no PSI 20. A  Semapa lidera os ganhos depois ter divulgado um lucro trimestral de 39,7 milhões de euros, valor que representa um crescimento de 46,30% face ao período homólogo. O EBITDA foi de 132,6 milhões de euros. A empresa soma 1,99%, para 13,3 euros.

Os ganhos da Sonae Capital (1,63%), Mota-Engil (0,37%), EDP (0,95) e Galp (0,18%), também contribuem para colocar o PSi 20 “no verde”.

Em contraciclo, a Sonae SGPS destaca-se ao desvalorizar 0,73%, para 0,95 euros, após também ter apresentado resultados relativos ao primeiro trimestre do ano, na quarta-feira depois do fecho do mercado. A retalhista reportou um lucro trimestral de 18,3%, mais 6,50% em comparação com igual período de 2018, e vendas de 1.456 milhões de euros.

[Dados das 8h16]

 

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários