Europeias: PSD quer aproveitar cada cêntimo dos fundos da UE e investir nos jovens

Os sociais-democratas ainda não divulgaram as linhas programáticas do partido na corrida ao Parlamento Europeu, mas, na apresentação dos nomes que vão integrar a lista de candidatura, foram já reveladas algumas das proposta que o PSD quer levar para o trabalho europeu.

PSD

O cabeça de lista do Partido Social Democrata (PSD) às eleições europeias, Paulo Rangel, está confiante de que o PSD tem o “melhor projeto para a Europa, o melhor projeto para afirmar Portugal na Europa e o melhor projeto para servir os portugueses”. Embora ainda não tenham sido divulgadas as linhas programáticas do partido, Paulo Rangel levantou o véu, durante a apresentação dos nomes que vão integrar a lista de candidatura, a alguns dos desígnios que o PSD na corrida ao Parlamento Europeu:

 

Não perder “um cêntimo” dos fundos europeus para Portugal

As críticas ao cabeça de lista socialista, Pedro Marques, têm sido uma constante na campanha do PSD para as eleições europeias, que se realizam a 26 de maio (e vice-versa). Na apresentação da lista social-democrata para as europeias, que se realizou na sexta-feira no Luso, Paulo Rangel, aproveitou para renovar as críticas, lembrando o “fraco empenho” de Pedro Marques enquanto ministro das Infraestruturas e responsável pela gestão dos fundos europeus.

“Nós queremos que, no próximo quatro comunitário de apoio a nível de fundos, seja para a política de coesão seja para a área da agricultura, Portugal não perca um cêntimo”, afirmou Paulo Rangel, sublinhando que este é um compromisso no qual vão colocar “toda a força e credibilidade”.

 

Uma estratégia comum para a natalidade

A definição de uma política comum para a natalidade para combater o desafio da demografia é outra das propostas que o PSD quer levar ao Parlamento Europeu. A medida partiu de uma sugestão direta do presidente do PSD, Rui Rio, e que foi acolhida com agrado pelos candidatos a eurodeputados. A ideia é avançar com uma “estratégia comum que venha a ser mais tarde uma verdadeira política comum para a natalidade”. Paulo Rangel entende que, uma vez que a baixa natalidade é um problema que afeta toda a Europa, “exige uma resposta comum” que deve ser dada a nível europeu.

 

Um programa europeu de luta contra o cancro

É uma das bandeiras do Partido Popular Europeu (PPE), grupo europeu onde estão integrados os sociais-democratas, e vai ser também uma das propostas com que o PSD vai concorrer às eleições europeias. “Queremos que se possa fazer uma mobilização de fundos para a investigação e para ligar a investigação à atividade clínica na área do cancro”, afirmou Paulo Rangel. O PSD que assumir a “dianteira do combate ao cancro” e tornar-se “uma referência global”.

A iniciativa surge depois de ter sido aprovado o maior orçamento de sempre para o apoio ao programa Ciência europeia, que vai entrar em vigor entre 2021 e 2027. O programa Horizonte 2020 que está sob a tutela de Carlos Moedas, mandatário da campanha do PSD, vai receber um aumento de 30% para reforçar o papel da Europa na investigação.

 

Uma força europeia de Proteção Civil

Para Paulo Rangel, a ativação do Mecanismo de Proteção Civil da União Europeia para responder à catástrofe dos incêndios de Pedrógão Grande, que vitimou dezenas de pessoas em 2017, deveu-se em grande parte ao trabalho realizado pelos eurodeputados sociais-democratas. A fim de que a situação não se repita, o PSD considera crucial que se dê um passo em frente, tendo em mente que “a segurança das pessoas e bens é uma prioridade política”. Como tal, o PSD propõe a criação de “uma força europeia de Proteção Civil”, não adiantando, por entanto, em que moldes assenta esta iniciativa.

 

Um pacote integrado para a juventude

Quando Rui Rio anunciou a líder da juventude do Partido Popular Europeu, Lídia Pereira, para número dois da lista do PSD para as europeias, sublinhou que “o futuro passa pelos jovens”. É também a pensar nisso, que o PSD vai “apostar e ter como bandeira um pacote para a juventude que esteja altamente integrado”. Paulo Rangel defendeu que, neste sentido, a estratégia deve assentar em várias frentes.

O PSD que reforçar o orçamento do programa Erasmus+ e, através do programa EURES,  criar “o programa para o primeiro emprego europeu dos jovens”. A formação cívica dos jovens e a importância do voluntariado são também vertentes que o PSD quer destacar, com o novo Corpo Europeu de Solidariedade. Ao mesmo tempo, o PSD quer alargar o programa de interrail DiscoverEU a todos os jovens que completem 18 anos.

 

Ler mais
Recomendadas

Bancos dão ordem para executar totalidade da Coleção Berardo

CGD, BCP e Novo Banco deram à execução penhores sobre 100% dos títulos de participação dados como garantia de créditos de mais de 900 milhões.

Só com o PS é possível manter o equilíbrio na governação – António Costa

De acordo com o primeiro-ministro, nos últimos três anos e meio, os compromissos assumidos “foram cumpridos, porque palavra dada tem sido sempre palavra honrada”.

Paulo Rangel pede voto bem cedo para impedir “legitimação” de Costa

Segundo Rangel, o que António Costa procura nas eleições europeias é tentar “um plebiscito à moda napoleónica ou cesarista” para conseguir a sua “legitimação” a nível nacional já que, disse, até hoje o primeiro-ministro “nunca foi capaz de ganhar uma eleição”.
Comentários