Eurostat. Custos do trabalho caem na zona euro mas crescem na União Europeia

Os custos do trabalho deslizaram 0,1% na zona euro e cresceram 0,6% na União Europeia.

Os custos do trabalho deslizaram 0,1% na zona euro e cresceram 0,6% na União Europeia (UE) no segundo trimestre de 2021, em termos homólogos, revelou o Eurostat esta quarta-feira.

“Na zona euro, os custos com ordenados e salários por hora trabalhada diminuíram 0,4%, enquanto a componente não salarial aumentou 0,8% no segundo trimestre de 2021, face ao mesmo trimestre do ano anterior”, pode ler-se no relatório do Eurostat.

O gabinete de estatística europeu dá conta que, na zona euro, “os custos com ordenados e salários por hora trabalhada diminuíram 0,4%, enquanto a componente não-salarial aumentou 0,8% no segundo trimestre de 2021, face ao mesmo trimestre do ano anterior”. Os ordenados e os custos não-salariais são os principais critérios para mensurar os custos do trabalho.

Já na UE os custos com ordenados e salários aumentaram 0,2% e a componente não salarial 2%, no segundo trimestre.

Comparando os custos do trabalho em termos homólogos na zona euros, verifica-se um aumento de “1,7% na economia não-comercial e caíram 0,8% na economia empresarial: -1,6% na indústria, -0,9% na construção e -0,5% nos serviços”.  Na UE, “o custo do trabalho por hora cresceu 2,1% na economia não-comercial e diminuiu ligeiramente 0,1% na economia empresarial: -0,7% na indústria, + 0,2% na construção e + 0,2% nos serviços”.

Recomendadas

Turismo: Siza anuncia nova linha de 150 milhões e apoio a fundo perdido de 15 mil euros por empresa

“Vamos lançar, nas próximas semanas, uma nova linha de crédito de apoio à tesouraria” das empresas do setor turístico, disse o ministro da Economia. Além disso, será lançado nos próximos dias o programa “Adaptar Turismo”, que funcionará como “um incentivo financeiro a fundo perdido aos investimentos no sector, num montante de até 15 mil euros por empresa”.

Défice do Estado agrava-se para 6.878 milhões de euros até agosto

Evolução resulta de crescimento da despesa ter sido superior ao observado na receita. Ministério das Finanças realça que este agravamento está “amplamente influenciado pela prorrogação do prazo de entrega do IVA de agosto”.

Presidente do BCE reitera que aumento da inflação na zona euro é temporário

“O nosso cenário de base continua a esperar que a inflação se mantenha abaixo do nosso objetivo a médio prazo”, disse Christine Lagarde, num debate com a comissão dos Assuntos Económicos do Parlamento Europeu (PE) numa referência ao novo objetivo do BCE de uma taxa de inflação anual de 2%.
Comentários