Eutanásia: Marcelo só se pronuncia no fim do processo

Questionado sobre o que o levou a divulgar uma nota no portal da Presidência da República na Internet a informar que iria conceder audiências sobre este tema logo que regresse da Índia, Marcelo Rebelo de Sousa rejeitou que isso seja lido como um sinal de preocupação.

Miguel A. Lopes / Lusa

O Presidente da República afirmou este sábado que receberá quem lhe pedir audiências sobre a eutanásia, mas que reserva a sua palavra “por escrito ou oralmente” para o fim do processo.

Marcelo Rebelo de Sousa, que durante o seu mandato sempre se escusou a tomar posição sobre esta matéria, não quis hoje, durante a sua visita de Estado à Índia, pronunciar-se sobre a possibilidade de um referendo ou sobre questões de constitucionalidade relacionadas com este tema.

Questionado pelos jornalistas junto à Porta da Índia, em Mumbai, o chefe de Estado prometeu que fará “uma avaliação não hipotética, mas efetiva, na altura em que tiver de ter”, acrescentando: “Até lá as pessoas esperarão e naturalmente desempenharão os seus vários papéis. Cada um tem um papel a desempenhar”.

No seu caso, defendeu que, como Presidente da República, “a palavra deve ser dada, por escrito ou oralmente, conforme o caso, sendo caso disso, no fim do processo, e não no começo ou no meio”, e que “deve ser respeitada esta reserva”.

“Há vários processos no mesmo processo global e, portanto, eu não vou falar em nenhum dos aspetos, nenhuma das facetas, nenhuma das vertentes do mesmo processo global”, declarou.

Interrogado sobre o que o levou a divulgar uma nota no portal da Presidência da República na Internet a informar que iria conceder audiências sobre este tema logo que regresse da Índia, Marcelo Rebelo de Sousa rejeitou que isso seja lido como um sinal de preocupação.

“Não. É sinal de que, estando aqui e não querendo estar a falar de temas internos quando estou fora do território nacional, eu não queria deixar de explicar que, quando voltasse ao território nacional e quando pudesse, não deixaria de fazer o que fim sempre em circunstâncias similares, que é receber quem me pede para ser recebido”, respondeu.

Ler mais
Relacionadas

PremiumEutanásia: O que os partidos propõem para uma despenalização sem referendo

Pode a escolhade uma morte digna sobrepor-seao direito à vida? Deve estaser prolongada, mesmo que isso implique mais dor e sofrimento? A Assembleia da República vai voltar a debater a eutanásia, apesar das críticas da Igreja Católica e da Ordem dos Médicos.Com uma novidade: se há dois anos faltaram apenas cinco votos para que fosse aprovada, agora existe uma maioria parlamentar que pode despenalizara morte medicamente assistida.

Eutanásia: Mais de metade favorável, mais velhos e crentes são os que menos concordam

Mais de metade dos inquiridos num estudo do Instituto Universitário Egas Moniz mostra-se favorável à eutanásia e os que manifestaram atitudes mais desfavoráveis são os mais velhos, com menor nível de escolaridade e que se identificam com uma religião.
Recomendadas

Executivo ultima propostas para apoiar os media, mas falta consenso no setor

Media vão receber apoios estatais para enfrentar crise gerada pela pandemia da Covid-19. Governo anuncia apoios “em breve”.

Bloco de Esquerda pergunta ao Governo se vai impedir distribuição de dividendos da Galp

O Bloco defende que a distribuição de dividendos pela Galp deve ser travada pelo Governo e que o dinheiro deve servir para ajudar a empresa a retomar a sua produção nas refinarias de Sines e Matosinhos depois do fim da crise provocada pela Covid-19.

Reforma antecipada sem penalização em estudo para funcionários da TAP

Pacote de resgate do setor de aviação vai incluir ainda isenções de taxas, o diferimento da TSU e de impostos, e empréstimos com aval do Estado.
Comentários