“Evento 201”, a simulação que quase previu o surto de coronavírus seis meses antes

O “event 201” simulou a criação de um vírus com origem numa quinta de porcos no Brasil, que depois chegaria a Portugal “numa questão de dias”. O vírus acabaria por vitimar mortalmente 65 milhões de pessoas em todo o mundo.

A simulação,de nome “evento 201”, foi idealizada e posta em prática numa colaboração entre a Universidade John Hopkins, o Fórum Económico Mundial e a Fundação Bill e Melinda Gates, recorrendo a uma tipologia de vírus semelhante ao SARS. O evento durou três horas e meia e apresentou conclusões assustadoras, segundo a revista Sábado.

O “event 201” simulou a criação de um vírus com origem numa quinta de porcos no Brasil, que depois chegaria a Portugal “numa questão de dias”. O vírus acabaria por vitimar mortalmente 65 milhões de pessoas em todo o mundo.

No fim das três horas e meia que durou a simulação, uma das principais conclusões foi que o mundo não estaria preparado para enfrentar uma crise desta natureza. Outra das conclusões refere que as cidades da América do Sul seriam especialmente afetadas, e que o vírus seria exportado através de viagens para Portugal, depois para a China e Estados Unidos, espalhando-se por todo o mundo.

Passados seis meses, as semelhanças entre o “evento 201” e a realidade confundiram-se. A pandemia Covid-19 já está presente em quase todos os países, e o número de pessoas infetadas cresce de dia para dia, sem grandes sinais de abrandamento, e com o número de pessoas infetadas por dia a superar aquelas que já conseguiram recuperar.

As recomendações feitas pelos responsáveis pela simulação passam pela colaboração entre vários países e instituições internacionais. Para amenizar os efeitos na economia, sugerem que se estabeleçam “parcerias público-privadas para diminuírem as consequências em grande escala na economia” com o objetivo de evitar “efeitos catastróficos”.

As recomendações indicadas poderão servir como pistas para o que tem de ser feito no presente, ou seja, a universidade John Hopkin em conjunto com o Fórum Económico Mundial, sublinha que devem ser garantidos os stocks de medicamentos e utensílios médicos necessários para a prevenção da doença, e reforçar os apoios para o desenvolvimento de vacinas. Ainda assim, afirmam que as viagens e o comércio não deveriam ser fechados durante a pandemia, por serem “essenciais” para a economia mundial.

Por fim, o combate à desinformação é definido como outra das prioridades, atribuindo prioridade a este problema. Como podemos confirmar na atualidade, a quantidade de informações erradas multiplica-se, como tal, as pessoas deverão ter um especial cuidado com os meios e a maneira como consomem a informação, dando prioridade a sites confiáveis.

Recomendadas

PS está na “posição ingrata” em que “todos lhe batem”, diz António Costa

Segundo o líder socialista, “a realidade” é que, “em cada um dos concelhos, a escolha é sempre uma, ou é o PS e as coligações PSD/CDS-PP ou é o PS e a CDU”.

“Maquiavel para Principiantes”. “Em vez do cartão amarelo ao Governo, podemos ter cartão vermelho ao líder da oposição”

“Mais importante do que bazucas, metralhadoras, helicópteros ou outro tipo de arsenal, há mais pessoas a acreditar numa vitória do PS do que num triunfo do PSD. Nestas eleições faz-se sentir muitas vezes o cartão amarelo ao Governo mas o que parece é que se está a preparar um cartão vermelho ao líder da oposição”, realçou Rui Calafate na edição desta semana do podcast do JE.

Portugal tem 83% da população totalmente vacinada contra a Covid-19

DGS contabiliza mais de 8,8 milhões de pessoas (86%) no país com pelo menos uma dose.
Comentários