Ex-CEO da Uber vende parte da sua participação por 1,4 mil milhões de dólares

A venda das ações de Kalanick é parte de um acordo com um consórcio liderado pela corporação SoftBank, que está “em jogo” para adquirir 17.5% das acções da Uber, através dos investidores mais antigos e de empregados da companhia.

Travis Kalanick, co-fundador e presidente executivo da Uber até Junho de 2017, está a vender aproximadamente um terço da sua participação de 10% na companhia por cerca de 1,4 mil milhões de dólares, revelou a Reuters na quinta-feira.

A venda das ações de Kalanick é parte de um acordo com um consórcio liderado pela corporação SoftBank, que está “em jogo” para adquirir 17.5% das acções da Uber, através dos investidores mais antigos e de empregados da companhia.

O comportamento do SoftBank pode valorizar a Uber em 48 mil milhões de dólares.

Segundo a agência de notícias, Travis Kalanick até estava disposto a vender metade da sua participação total na companhia (10%), mas devido a restrições no número de ações que o Softbank pode comprar, o ex-CEO apenas venderá 29% do número total de ações que detém.

Relacionadas

Consórcio liderado pelo Softbank vai comprar 20% de ações da Uber

Depois de serem conhecidos os avanços sobre esta operação, noticiada pela imprensa japonesa em meados de novembro, as ações do Softbank Group registram uma ligeira subida na bolsa de Tóquio, e pelas 10:30 (01:30 em Lisboa) de hoje estavam a ser transacionadas por 8.966 ienes (66 euros), cerca de 0,40% mais.

Uber perde 30% do seu valor

Uma proposta de compra de ações apresentada por um consórcio americano-japonês sinaliza uma queda significativa do valor da avaliação da empresa.

Uber perde mais uma figura de proa

Christopher Burghardt, responsável pela estratégia da Uber nos mercados Europeu, do Médio Oriente e de África, abandona a empresa em novembro para ingressar na Chargepoint, dedicada ao carregamento de veículos elétricos.

Ex-presidente da Expedia é o novo CEO da Uber

Dara Khosrowshahi é o nome escolhido para substituir Travis Kalanick. A empresa está a lutar para limpar a imagem, depois de uma série de escândalos.
Recomendadas

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Grupo Os Mosqueteiros investe 25,3 milhões para abrir mais seis lojas Intermarché em Portugal

Este investimento irá permitir a criação de 265 novos postos de trabalho de norte a sul do país, asseguram os responsáveis do grupo francês de distribuição.

Tribunal espanhol adia audições dos responsáveis do CaixaBank sobre compra do BPI

Segundo a agência Efe, problemas técnicos impediram a audição telemática do presidente da Criteria e ex-presidente do CaixaBank. O julgamento que está em curso desde 2018 decorre de uma queixa de acionistas minoritários que se sentiram lesados com algumas operações inerentes à compra do BPI em 2017.
Comentários