Ex-jogador do Real Madrid FC torna-se no primeiro futebolista a ser comprado com bitcoin

O clube que faz parte da DUX Gaming não divulgou o valor total do negócio, mas a mudança para Barral foi “possível” através do patrocinador do clube espanhol, a Criptan – uma plataforma local para compra e venda de criptomoedas.

David Barral, ex-jogador do Real Madrid B e Levante FC, tornou-se no primeiro jogador a ser comprado com criptomoeda. O jogador de 37 anos assinou oficialmente com o clube do DUX Internacional de Madrid da segunda divisão B espanhola esta semana num negócio financiado inteiramente pelo uso de bitcoin – a moeda digital ou virtual que usa tecnologia ponto a ponto para facilitar pagamentos instantâneos, segundo o portal “SportBibble”.

O clube que faz parte da DUX Gaming – um clube de eSports pertencente aos jogadores de futebol Borja Iglesias e Thibaut Courtois – ainda não divulgou o valor total do negócio, mas a mudança para Barral foi “possível” através do patrocinador do clube espanhol, a Criptan – uma plataforma local para compra e venda de criptomoedas.

Numa publicação nas redes sociais, o clube deu as boas-vindas ao atacante espanhol e agradeceu ao patrocinador. “David Barral novo jogador do DUX Internacional de Madrid, bem-vindo ao clube infinito!”. “Ele representa a primeira transferência da história através de criptomoedas. Graças a Criptan, o nosso novo patrocinador, por tornar isto possível.”, pode ler-se.

Barral, que fez mais de 50 jogos pela equipa B do Real Madrid, também expressou a sua satisfação com sua última mudança. “Fico feliz em ingressar no projeto do @interdemadrid com grande ambição e responsabilidade de continuar a competir e alcançar desafios importantes na minha carreira desportiva.”, escreveu na sua página oficial do Twitter.

Recomendadas

SAD do Benfica com lucro de 8,2 milhões no primeiro semestre da temporada

O resultado operacional, que inclui transferências de jogadores, é de 12,8 milhões de euros positivo, para os quais contribuiu a transferência de Ruben Dias para o Manchester City, por 68 milhões de euros.

“Não há espaço para questões emocionais” na negociação dos direitos televisivos, avisa especialista em marketing desportivo

Daniel Sá defende que em Portugal deve existir um conjunto de critérios objetivos para uma distribuição justa dos valores envolvidos na negociação. “Podemos ir beber várias das experiências que já existem e encontrar o modelo certo para nós”, refere.

Fórmula 1 fecha 2020 com perdas de 444 milhões e queda de 43% nas receitas

As receitas da Fórmula 1 caíram 43% no ano fiscal encerrado a 31 de dezembro de 2020, em comparação com o de 2019. Há um ano, a empresa recebeu dois mil milhões de dólares (1,6 mil milhões de euros).
Comentários