Ex-vice-presidente do governo espanhol é a nova sócia da Cuatrecasas

Soraya Sáenz de Santamaría regressou à advocacia e assinou contrato com o escritório de advogados ibérico, juntando-se ainda ao conselho de administração da firma ibérica.

A antiga vice-presidente do governo espanhol Soraya Sáenz de Santamaría é a nova sócia e membro do conselho de administração da sociedade de advogados Cuatrecasas, confirmou o Jornal Económico. A ainda ex-vice-presidente do Partido Popular (PP) irá exercer funções na área de prática de Corporate Governance e Compliance e coordenar uma equipa interdisciplinar deste escritório em Espanha.

Licenciada em Direito pela Universidade de Valladolid e membro da Ordem dos Advogados desde 1999, Soraya Sáenz de Santamaría teve também uma oferta de trabalho por parte do escritório de Madrid B. Cremades & Asociados, de acordo com a informação obtida pelo jornal espanhol “El Mundo”, mas tê-la-á recusado.

“Os advogados de vocação têm a sorte de servir a sociedade e o Estado de Direito em vários campos. Estou contente por voltar a praticar advocacia e por fazê-lo junto de uma magnífica equipa de profissionais da Cuatrecasas, de cuja experiência espero continuar a aprender nos próximos anos”, afirmou a ex-porta-voz do executivo espanhol, citada pela imprensa local.

Depois de a notícia vir a público, na manhã desta segunda-feira, o atual secretário-geral do PP, Teodoro Garcia-Egea, afirmou apenas que “quem abandona a política tem direito a reconstruir a sua vida profissional”, quando questionado pelos jornalistas sobre o assunto, depois de uma conferência no Colégio de Engenheiros Civis de Madrid, na qual esteve presente.

Recomendadas

PremiumDeloitte vai quase duplicar soluções na “App Store fiscal”

Os programadores da consultora irão, até ao final do ano, desenvolver mais aplicações móveis para automatizar os processos fiscais das empresas.

Operação Lex: Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” viciação do sorteio de processos em tribunais

A Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” a possibilidade de viciação do sistema electrónico de distribuição de processos nos Tribunais portugueses e apela a que o Conselho Superior de Magistratura assegure que este tipo de práticas “não poderá repetir-se”, depois de notícias que dão conta de que o ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Vaz das Neves, foi constituído arguido no processo Operação Lex, por aquele tipo de suspeitas de viciação.

PremiumNuno Faria: “Negócios entre Portugal e Irão estão em ponto morto”

O advogado Nuno Pinto Coelho de Faria realça que a escalada das tensões no Médio Oriente travou contactos “muitíssimo evoluídos” no setor farmacêutico.
Comentários