Exportações de componentes automóveis cedem 3,5% para 2.500 milhões no primeiro trimestre

De acordo com os dados avançados, em comunicado, pela AFIA, no primeiro trimestre, as exportações desta indústria cederam 3,5%, em comparação com o primeiro trimestre de 2019, para 2.500 milhões de euros.

As exportações de componentes automóveis cederam 3,5% no primeiro trimestre, em comparação com o período homólogo para 2.500 milhões de euros e, só em março, perderam mais de 25%, atingindo mínimos de 2009, foi anunciado.

De acordo com os dados avançados, em comunicado, pela Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA), no primeiro trimestre, as exportações desta indústria cederam 3,5%, em comparação com o primeiro trimestre de 2019, para 2.500 milhões de euros.

Por sua vez, “as vendas em março de componentes automóveis para o exterior ficaram-se pelos 664 milhões de euros, o que corresponde a uma queda de 25,4% em relação ao mesmo mês do ano passado”.

Desde maio de 2009 que não se registava uma queda tão acentuada nas exportações de componentes automóveis.

No que se refere aos países de destino das exportações, Espanha ocupa a primeira posição com vendas de 725 milhões de euros, mais 3,8% face aos primeiros três meses de 2019, seguida pela Alemanha com 493 milhões de euros (-7,1%), França com 325 milhões de euros (- 14,5%) e Reino Unido com 210 milhões de euros (-9,8%).

No total, estes quatro países concentram 70% das exportações portuguesas de componentes automóveis.

Segundo os dados da AFIA, a indústria dos fornecedores de componentes para automóveis agrega 240 empresas com sede ou laboração em Portugal, que empregam 59 mil pessoas.

Esta indústria fatura 12 mil milhões de euros por ano e apresenta uma quota de exportação de mais de 80%.

Portugal contabiliza 1.114 mortos associados à covid-19 em 27.268 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

Relativamente ao dia anterior, há mais nove mortos (+0,8%) e mais 553 casos de infeção (+2%).

Das pessoas infetadas, 842 estão hospitalizadas, das quais 127 em unidades de cuidados intensivos, e o número de casos recuperados passou de 2.258 para 2.422.

Portugal entrou domingo em situação de calamidade, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

Ler mais

Relacionadas

Exportações portuguesas de vestuário caem 23,5% em março

“Os dados do INE [Instituto Nacional de Estatística] mostram uma perda superior a 66 milhões de euros em março na comparação com o mesmo mês do ano passado para os exportadores portugueses de vestuário”, refere a Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confeção (ANIVEC).

INE: Exportações portuguesas caíram 13% em março devido à Covid-19

As importações também caíram. O défice da balança comercial de bens registou uma diminuição de 151 milhões de euros face ao mês homólogo de 2019, atingindo os 1.586 milhões de euros em março de 2020.
Recomendadas

Comércio automóvel quer flexibilidade fiscal para diferir pagamentos do IUC

O setor do comércio automóvel diz que já tem 50% das visitas de clientes, mas precisa de maiores estímulos para o abate de viaturas em fim de vida, referem os participantes no ’30 a 3′ promovido pelo Montepio Crédito em parceria com o Jornal Económico. O setor considera que é preciso aumentar a confiança do cliente para relançar as vendas de automóveis.

Bruxelas garante “regras rigorosas” nas PPP em defesa de valores europeus

“Estamos a implementar regras rigorosas da UE, em total concordância com os valores da UE. Também estamos a tomar decisões de financiamento, consultando vários ‘stakeholders’ [partes interessadas], sempre colocando no topo da prioridade as necessidades de saúde e ambientais dos cidadãos”, disse à Lusa fonte oficial da CE.

Alemanha entra em recessão: PIB registou a maior queda desde a crise económica em 2008

No primeiro trimestre do ano o Produto Interno Bruto (PIB) alemão caiu 2,2% em comparação com os três meses anteriores, quando verificou uma descida de 0,1%.
Comentários