Exportações e importações aceleram 12,3% e 20,0% e voltam a valores pré-pandémicos

As variações homólogas dos indicadores referentes ao comércio internacional em Portugal mostram que importações e exportações cresceram no terceiro trimestre e superaram já os valores homólogos pré-pandémicos, depois de, no segundo trimestre, apenas as exportações terem chegado a este nível.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) estima crescimentos homólogos de 12,3% e 20,0%, respetivamente, nas exportações e importações de bens no terceiro trimestre de 2021, de acordo com os dados provisórios divulgados esta quinta-feira.

A nota do INE realça ainda que estes valores traduzem um crescimento de 8,9% e 5,3%, respetivamente, nas exportações e importações nacionais face ao período homólogo de 2019. Assim, o comércio internacional no terceiro trimestre deste ano superou os valores pré-pandémicos, de acordo com os dados divulgados esta quinta-feira.

Esta leitura marca o regresso de ambos os indicadores a valores registados antes da pandemia, depois dos dados do segundo trimestre terem mostrado que as exportações portuguesas haviam já crescido 3,0% em relação a igual período de 2019, mas as importações continuavam 3,2% abaixo do verificado antes da chegada da pandemia.

Por outro lado, o crescimento homólogo no terceiro trimestre ficou ligeiramente aquém do registado no período anterior, quando as exportações cresceram 48,9% e as importações 49,2%. No entanto, o efeito base decorrente das restrições à atividade económica no primeiro período de confinamento eram mais acentuados no segundo trimestre, o que explica em parte este abrandamento na leitura agora conhecida.

Recomendadas

PremiumSiza Vieira apela a fusão de candidaturas a apoio do PRR para empresas

Vontade de evitar sobreposições será critério para definir quantos dos 64 consórcios pré-qualificados às Agendas Mobilizadoras e Agendas Verdes para a Inovação Empresarial assinarão contratos em 2022.

PremiumInflação na zona euro em máximos de 30 anos

A nova variante do vírus da Covid-19 já começou a condicionar a economia europeia e poderá contribuir para uma inflação ainda mais persistente.

Teresa Ponce de Leão: “Necessitamos de mais investimento em postos de abastecimento [elétricos]”

Em entrevista ao Jornal Económico, presidente da APVE – Associação Portuguesa do Veículo Elétrico e do Laboratório Nacional de Energia e Geologia considera que os desafios passam, em primeiro lugar, por garantir que existe energia de fontes renováveis e que esta consegue chegar aos consumidores.
Comentários