Exportações portuguesas para Angola caíram 11% desde a chegada de João Lourenço ao poder

Nos últimos cinco meses, os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) apontam para uma queda de 11% nas exportações, o que corresponde a menos 93 milhões de euros.

Herculano Coroado Bumba

As exportações de bens para Angola têm vindo a cair desde agosto do ano passado, altura em que João Lourenço tomou posse como presidente do país. Nos últimos cinco meses, os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) apontam para uma queda de 11% nas exportações, o que corresponde a menos 93 milhões de euros, avança o jornal “Público”.

Os dados do gabinete de estatística mostram que setembro do ano passado foi o mês em que se registou um ponto final na tendência de recuperação nas exportações, que se vinha a verificar desde novembro de 2016. Durante esse mês, registou-se uma variação homóloga negativa de 5%. Desde aí, apenas em outubro é que houve um mês positivo. Depois disso, a tendência de queda acentuou-se.

Este declínio nas exportações coincide com a chegada de João Lourenço ao poder em Angola. Durante a sua tomada de posse, o governante não mencionou Portugal como um dos seus principais parceiros, ao contrário de Espanha, com a qual Angola tem laços comerciais menos significativos. O caso veio pôr ainda mais a descoberto o clima de arrefecimento das ligações institucionais entre os dois países, o que já se vinha a verificar desde a abertura de uma investigação a Manuel Vicente, antigo vice-presidente angolano, suspeito de corrupção e branqueamento de capitais.

O economista angolano Alves da Rocha considera que “ligar o ciclo político (relações tensas com Portugal) com o ciclo das importações angolanas provenientes de Portugal pode ser um bocado arriscado”. Já João Traça, presidente da Câmara de Comércio e Indústria de Portugal acredita que “a variação que se regista nas exportações é uma consequência direta da atual crise da economia angolana”.

Os setores mais afetados por este novo arrefecimento comercial foram os produtos alimentares e as pastas celulósicas e papel.

Relacionadas

João Lourenço rejeita divisões no angolano MPLA

O chefe de Estado de Angola refutou a ideia de que existe cisão no seio do partido no poder no país entre “supostos eduardistas e lourencistas”, garantindo que existem apenas militantes.

Angola vende mil milhões de dólares em diamantes em 2017

Setor pretende melhorar a política de comercialização de diamantes, com vista a atrair mais investimentos, referiu o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos.
Recomendadas

Montalegre faz sessões de esclarecimento de combate à vespa velutina

A Câmara de Montalegre, através do Gabinete Técnico Florestal (GTF), promove três sessões de esclarecimento que visam combater a denominada Vespa Velutina, mais conhecida por “vespa asiática”. As sessões estão abertas a toda a comunidade. As acções, coordenadas pelo técnico José Luís Tavares, decorrem em Fafião (26 de Agosto, no Ecomuseu de Barroso – Vezeira […]

Vieira da Silva aguarda com tranquilidade pedidos de fiscalização da lei laboral

O ministro do Trabalho e da Segurança Social afirmou esta quarta-feira que vai aguardar com tranquilidade os eventuais pedidos de fiscalização da constitucionalidade das alterações à lei laboral, nomeadamente do alargamento do período experimental de 90 para 180 dias. O diploma que altera o Código do Trabalho foi promulgado na segunda-feira pelo Presidente da República […]

Ministério da Agricultura lança plano de recuperação florestal para Mação, Sertã e Vila de Rei

O Governo criou já o Grupo de Trabalho que vai elaborar o Plano Integrado de Transformação Territorial para os concelhos de Mação, Sertã e Vila de Rei, recentemente afectadas por grandes incêndios. O objectivo deste plano é recuperar a área ardida e activar a gestão agroflorestal. Trata-se de uma iniciativa conjunta dos Gabinetes dos Ministros […]
Comentários