Extinção de plantas atingiu proporções “assustadoras”, alertam cientistas

Os resultados de um relatório publicado na “Nature”, o primeiro realizado à escala global, calcula que 571 espécies desapareceram desde 1750.

O maior estudo realizado à escala global sobre o estado das plantas, divulgado esta segunda-feira pela revista científica “Nature“, alerta para o ritmo desenfreado de extinções de várias espécies de plantas no Planeta Terra.

O relatório, que faz o maior levantamento de dados sobre as plantas a nível mundial, calcula que 571 espécies desapareceram desde 1750 e que, desde 1900, quase três espécies de plantas que produzem sementes desapareceram por ano – i.e. 500 vezes mais rápido do que é habitual.

Os cientistas que participaram do trabalho afirmam que a estimativa é “assustadora” e pode estar muito abaixo da realidade, já que alguns países não foram estudados minuciosamente.

A desflorestação e o uso de grandes porções de terra pelo agronegócio são apontados como as principais causas das extinções. Há, ainda, milhares de espécies de plantas impossibilitadas de se reproduzirem, seja pela extinção de animais que ajudavam a espalhar sementes ou pela morte de toda a população de um dos sexos, o que tende a ampliar ainda mais os números nos próximos anos.

Um dos planos apresentados é determinar quais espécies são mais vulneráveis para que se evite novas perdas na flora mundial através de medidas que contornem a degradação da biodiversidade. A dificuldade em identificar o fenómeno de maneira nítida, se comparado à extinção de animais, torno o diagnóstico do problema mais complicado.

Em maio, a Organização das Nações Unidas alertou que um milhão de espécies de animais e plantas estão em risco de extinção.

Os autores do trabalho publicado na “Nature” compararam o quadro da crise entre diferentes locais do planeta. O estado norte-americano do Havaí lidera a lista mundial com 79 espécies extintas, enquanto a África do Sul soma 37.

Ler mais

Relacionadas

Quercus e Zero apelam aos líderes da UE para que o desenvolvimento sustentável seja uma prioridade política

Os líderes de mais de 30 plataformas privadas, públicas e da sociedade civil, entre as quais as portuguesas a Quercus e Zero, apelaram hoje aos líderes da União Europeia (UE) para que o desenvolvimento sustentável se torne uma prioridade política, defendendo ações urgentes.

“É urgente agir”. Perda catastrófica de biodiversidade ameaça humanidade, alerta ONU

Este é o aviso que cerca de 400 cientistas fazem no mais completo e atualizado relatório dos últimos três anos sobre a biodiversidade. “É urgente agir”, dizem cientistas.

Greenpeace diz que Europa explora pesca em África de forma “oportunista”

Os recursos pesqueiros em África estão a ser explorados de forma “oportunista” por frotas europeias, chinesas e de outros países, que aproveitam em seu benefício a má gestão das águas africanas, acusa um ativista da Greenpeace.
Recomendadas

Avaliação da ‘performance’ de uma estratégia de investimento

O retorno de uma estratégia de investimento tem sempre de ser ajustado ao risco incorrido. Esta é a primeira consideração de uma avaliação.

Do ministério das Finanças para governador do Banco de Portugal? “Já houve três precedentes, todos do PSD”

As passagens diretas entre o Terreiro do Paço e o supervisor bancário aconteceram durante os governos de Cavaco Silva, recordou Marques Mendes que garante que Mário Centeno vai assumir o cargo de governador ainda este ano. Dos três nomeados, apenas Miguel Beleza era ministro.

PremiumMargarida Marques: “A última coisa que queremos é um conflito institucional”

Correlatora para o Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027 diz que o Parlamento Europeu não terá problemas em rejeitar proposta do Conselho Europeu, mas espera avanços após cimeira extraordinária.
Comentários