Extrema-direita entra pela primeira vez no parlamento português em democracia

Portugal deixa, na terça-feira, de pertencer ao “clube” dos países da União Europeia (UE) sem extrema-direita no parlamento (Irlanda, Luxemburgo e Malta), após a eleição do deputado do Chega André Ventura, nas legislativas.

andre_ventura_legislativas_voto
Miguel A. Lopes/Lusa

André Ventura, conhecido por ser adepto e comentador televisivo de um clube de futebol, o Benfica, com uma carreira política curta, depois de uma experiência autárquica, eleito vereador pelo PSD, em Loures, foi o último dos deputados do círculo de Lisboa a ser eleito na noite das eleições.

Ao todo, o Chega, que se define como conservador, obteve, no continente e ilhas, mais de 66 mil votos, 22 mil dos quais no distrito de Lisboa.

A extrema-direita europeia já está presente na quase totalidade dos parlamentos nacionais dos Estados-membros da UE, agora com a exceção da Irlanda, do Luxemburgo e de Malta.

Os partidos sob a denominação de extrema-direita são muito heterogéneos, incluindo populistas, nacionalistas, ultraconservadores e até neonazis, e cresceram nos países da UE a partir da combinação da crise económica, as migrações, o descrédito na política e a desconfiança nas instituições.

Sozinhos ou em coligação, partidos de extrema-direita não só entraram na grande maioria dos Parlamentos nacionais como conseguiram subir ao poder em nove países europeus.

Partidos considerados de extrema-direita governam sozinhos na Polónia, Hungria e República Checa e em coligação em Itália, Áustria, Finlândia, Letónia, Eslováquia e Bulgária.

Além disso, na Dinamarca, o Partido do Povo Dinamarquês dá apoio pontual ao partido do Governo e em França o partido de Marine de Pen ganha terreno.

A Câmara dos Comuns, no Reino Unido, não tem representantes da extrema-direita, apesar de o Partido da Independência do Reino Unido (UKIP) estar representado na Câmara dos Lordes.

Finlândia e Itália já tiveram governos de coligação com a extrema-direita, mas esses executivos caíram.

Ler mais
Relacionadas

Extrema-direita recebida no parlamento entre o silêncio e o ataque frontal

Os partidos com representação parlamentar receberam com um misto de ataque frontal e silêncio a entrada de uma força de extrema-direita no parlamento, o Chega.

André Ventura pode vir a ter uma porta só para si no Parlamento

O presidente do Parlamento admitiu a abertura de uma porta para o deputado do Chega aceder ao hemiciclo, mas avisou que não vai ser feita a tempo do arranque da nova legislatura. Já o Iniciativa Liberal pediu para se sentar entre PS e PSD, mas o PSD quer ver Cotrim de Figueiredo encostado ao CDS.
Recomendadas

Executivo ultima propostas para apoiar os media, mas falta consenso no setor

Media vão receber apoios estatais para enfrentar crise gerada pela pandemia da Covid-19. Governo anuncia apoios “em breve”.

Bloco de Esquerda pergunta ao Governo se vai impedir distribuição de dividendos da Galp

O Bloco defende que a distribuição de dividendos pela Galp deve ser travada pelo Governo e que o dinheiro deve servir para ajudar a empresa a retomar a sua produção nas refinarias de Sines e Matosinhos depois do fim da crise provocada pela Covid-19.

Reforma antecipada sem penalização em estudo para funcionários da TAP

Pacote de resgate do setor de aviação vai incluir ainda isenções de taxas, o diferimento da TSU e de impostos, e empréstimos com aval do Estado.
Comentários