Advogado de Armando Vara diz que libertação é a “solução menos injusta”

O advogado de defesa de Armando Vara disse esta segunda-feira à Lusa, a propósito da libertação do ex-ministro, que cumpria uma pena de prisão de cinco anos, que esta decisão é “uma solução menos injusta” para o caso.

Armando Vara, detido no Estabelecimento Prisional de Évora desde 16 de janeiro de 2019, após ter sido condenado no âmbito do processo Face Oculta, é libertado no quadro da aplicação das medidas excecionais devido à covid-19, informou hoje o Tribunal de Execução das Penas (TEP) de Évora.

“É uma decisão que, cumprindo a lei no caso concreto, acaba por permitir uma solução menos injusta”, notou o advogado Tiago Rodrigues Bastos.

“Fico muito contente, muito satisfeito porque já era tempo de ele ser devolvido à liberdade”, frisou, adiantando que Armando Vara está, “acima de tudo, aliviado”.

Em comunicado, o TEP de Évora esclarece que a libertação de Armando Vara, condenado a uma pena única de cinco anos de prisão, por três crimes de tráfico de influência, ocorre ao abrigo da Lei n.º 9/2020, de 10 de abril (Regime Excecional de flexibilização da execução das penas e das medidas de graça, no âmbito da pandemia da doença Covid-19), a qual permanece em vigor.

“Encontrando-se preso no Estabelecimento Prisional de Évora desde 16 de janeiro de 2019, onde se apresentou voluntariamente, o Tribunal de Execução de Penas de Évora entendeu e decidiu que Armando Vara reunia os requisitos legais de perdão de pena aludidos no artigo 2.º da supracitada Lei, tendo a decisão efeitos imediatos. A medida foi também promovida pelo Ministério Público”, refere a mesma nota.

“A pena que lhe foi aplicada não era justa e, em qualquer caso, ele já tinha cumprido tempo suficiente”, assinalou o advogado, do escritório RBMS – Rodrigues Bastos, Magalhães e Silva & Associados.

A libertação de Armando Vara “protege o Estado de Direito”, destaca Tiago Rodrigues Bastos, defendendo a necessidade de se refletir sobre “a desproporcionalidade da aplicação da justiça (e não da lei) em relação aos crimes económicos”.

Isto porque, alerta, “a justiça está a perverter aquilo que a própria lei prevê” para este tipo de crimes.

Armando Vara está também acusado de um crime de branqueamento de capitais, no qual foi pronunciado em processo separado da Operação Marquês.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Portugal não precisa de uma crise política”, analisa managing partner da Vieira de Almeida

“Gostaria que houvesse bom senso, ninguém precisa de uma crise político e muito menos de uma crise constitucional. Em relação aos nossos clientes, há uma expectativa de que o bom senso prevaleça. O nosso foco tem que ser a recuperação da economia”, realçou Paula Gomes Freire, em entrevista ao programa da plataforma multimédia JE TV.

“Falar Direito”. Programa de advocacia da JE TV já está disponível como podcast no Spotify

O mundo da advocacia está em destaque no programa “Falar Direito”, é o novo programa semanal da JE TV, que conta também com uma versão em podcast, com apresentação de Filipe Alves e Mariana Bandeira.

KPMG investe 3 milhões de euros na parceria com a Nova SBE

Além deste programa de bolsas, “a KPMG atribuiu um donativo à Fundação Alfredo de Sousa no valor de 1,5 milhões, estando em causa um investimento total na educação no valor de cerca de 3 milhões a realizar durante um período de dez anos”, avança a Nova SBE.
Comentários