Falência de empresas na União Europeia caiu 1,2% no último trimestre do ano passado (com áudio)

Os dados publicados esta segunda-feira pelo Eurostat revelam ainda que o registo de novas empresas permaneceu quase o mesmo em comparação com o trimestre anterior, com uma redução de 0,4%. 

O número de declarações de falências na União Europeia diminui 1,2% no quarto trimestre do ano passado face ao trimestre anterior. Os dados publicados esta segunda-feira pelo Eurostat revelam ainda que o número de novas empresas permaneceu quase o mesmo em comparação com o trimestre anterior, com uma redução de 0,4%.

“Isto ocorre depois do instável segundo e terceiro trimestres de 2020, quando o número de novos registos de empresas caiu para o ponto mais baixo desde o início da série e depois recuperou”, explica o organismo de estatística europeu.

Na comparação anual, o número de registos de novas empresas aumentou 2,8% na União Europeia no quarto trimestre do ano passado face ao mesmo trimestre de 2019, enquanto o número de falências registadas diminuiu 17,9%.

O Eurostat assinala que a diminuição de registos e falências nos dois primeiros trimestres do ano passado pode ser explicada em grande parte por as administrações responsáveis pelos novos registos e falências não estarem temporariamente disponíveis ou encerradas, devido às restrições em vários países, o que levou a que “esses eventos não puderam ser imediatamente reportados, mas com um atraso”.

O organismo de estatística dá ainda nota de que os governos também podem ter dado mais tempo para a conclusão dos procedimentos administrativos. Paralelamente refere ainda que “o número relativamente baixo de falências em muitos países pode ser explicado pelas medidas governamentais de apoio às empresas durante a crise, que podem ter permitido que empresas que, de outra forma, teriam declarado falência continuassem as suas atividades”.

Ler mais

Recomendadas

PremiumFFMS sinaliza lições da Grande Recessão para a saída da crise

Apesar das diferenças óbvias, existem semelhanças preocupantes entre as crises de 2008 a 2013 e a da Covid-19. Desde logo, o risco de aumento de empresas zombie preocupa Carlos Carreira, coordenador do estudo sobre a Grande Recessão.

Sonae IM investiu 200 milhões de euros em cinco anos em mais de 40 tecnológicas, revela presidente executivo

“Vimos que havia uma oportunidade interessante, uma área de crescimento forte” em empresas de tecnologia, onde se inclui “o benefício que traria aos negócios da Sonae na altura”, conta o presidente executivo, Eduardo Piedade.

PremiumDéfice revisto em alta enquanto dívida diminui ainda mais

Bruxelas espera défice superior face há três meses, mas dívida beneficiará do diferencial taxas de juro-crescimento.
Comentários