Falta de medicamentos nas farmácias afeta milhares de doentes em Portugal

A indisponibilidade de medicamentos afetou 3,4 milhões de utentes, sendo que mais de 370 mil pessoas não tiveram alternativa a não ser interromper o tratamento.

O mês de julho registou uma rutura de stock de medicamentos, doenças como Parkinson, hipertensão, diabetes, DPOC ou epilepsia são os que levantam mais preocupações. Em 2018 faltaram 64,1 milhões de embalagens pedidas por doentes, segundo o Correio da Manhã.

Segundos os dados cedidos pela Associação Nacional de Farmácias (ANF) ao Correio da Manhã, a falta de medicamentos em farmácias por todo o país preocupa doentes. Em alguns casos os medicamentos não estão disponíveis há mais de um ano.

Tiago Galvão, diretor-executivo da ANF afirma que para doentes que sofram de hipertensão “não têm alternativa, o Adalat assim como o genérico Nifedipina estão esgotados há pelo menos um ano”.

A indisponibilidade de medicamentos afetou 3,4 milhões de utentes, sendo que mais de 370 mil pessoas não tiveram alternativa a não ser interromper o tratamento. O recurso a consultas médicas também diminuiu com o objetivo de alterar a prescrição, 1,4 milhões de utentes tivera de pedir uma nova receita, segundo o Correio da Manhã.

Entrou ontem, segunda-feira, dia 19 de agosto, o decreto-lei do Governo que altera o estatuto do medicamento. O diploma prevê que os distribuidores de medicamentos sejam obrigados a disponibilizar permanentemente fármacos em quantidades e variedades suficientes para garantir o normal fornecimento do mercado.

Recomendadas

Covid-19. Itália confirma sétima vítima mortal e 219 pessoas infetadas

As autoridades lutam neste momento para conter o surto que já contaminou cerca de 219 pessoas desde sexta-feira e isolou mais de 10 regiões no Norte de Itália.

Covid-19. Bruxelas disponibiliza 232 milhões de euros para luta global contra coronavírus

A Comissão Europeia anunciou ainda um novo pedido de avaliação de risco ao Centro Europeu de Prevenção e Controlo das doenças, que fará ainda parte de uma missão conjunta com a Organização Mundial da Saúde que parte esta terça-feira para Itália.

Coronavírus: Alemanha não está a considerar encerrar as fronteiras

Com a vizinha Itália a braços com um aumento repentino do número de casos de pessoas infetadas pelo coronavírus, a Alemanha não considera encerrar as suas fronteiras, segundo o porta-voz do ministro do interior.
Comentários