Falta de medicamentos nas farmácias afeta milhares de doentes em Portugal

A indisponibilidade de medicamentos afetou 3,4 milhões de utentes, sendo que mais de 370 mil pessoas não tiveram alternativa a não ser interromper o tratamento.

O mês de julho registou uma rutura de stock de medicamentos, doenças como Parkinson, hipertensão, diabetes, DPOC ou epilepsia são os que levantam mais preocupações. Em 2018 faltaram 64,1 milhões de embalagens pedidas por doentes, segundo o Correio da Manhã.

Segundos os dados cedidos pela Associação Nacional de Farmácias (ANF) ao Correio da Manhã, a falta de medicamentos em farmácias por todo o país preocupa doentes. Em alguns casos os medicamentos não estão disponíveis há mais de um ano.

Tiago Galvão, diretor-executivo da ANF afirma que para doentes que sofram de hipertensão “não têm alternativa, o Adalat assim como o genérico Nifedipina estão esgotados há pelo menos um ano”.

A indisponibilidade de medicamentos afetou 3,4 milhões de utentes, sendo que mais de 370 mil pessoas não tiveram alternativa a não ser interromper o tratamento. O recurso a consultas médicas também diminuiu com o objetivo de alterar a prescrição, 1,4 milhões de utentes tivera de pedir uma nova receita, segundo o Correio da Manhã.

Entrou ontem, segunda-feira, dia 19 de agosto, o decreto-lei do Governo que altera o estatuto do medicamento. O diploma prevê que os distribuidores de medicamentos sejam obrigados a disponibilizar permanentemente fármacos em quantidades e variedades suficientes para garantir o normal fornecimento do mercado.

Recomendadas

Cuidadores informais e pessoas cuidadas com informação online a partir de hoje

Da informação disponível para os cuidadores e pessoas cuidadas, surgem vídeos, manuais, relatórios e aplicações para smartphones bem como ofertas informativas “que contribuem para facilitar e ajudar tanto os cuidadores como as pessoas cuidadas”.

Nova Iorque suspende venda de cigarros eletrónicos com sabor

A venda destes produtos está proibida por 90 dias e serve como uma lei de emergência até os EUA chegarem a um consenso político sobre o passo a seguir.

Desnutrição: “Estamos a esconder uma realidade dentro dos lares”

A desnutrição obriga a internamentos sucessivos e agrava a qualidade de vida dos doentes, explica o Dr. Aníbal Marinho, em entrevista. O médico internista do Hospital de Santo António alerta que é importante saber o que se passa nos lares.
Comentários