Almadesign já consegue faturar 65% em exportações

Em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, José Rui Marcelino, o CEO da empresa especialista em ‘design’ de componentes para diversas áreas de atividade, como os transportes, revela detalhes sobre o projeto FLEXCRAFT, que será apresentado amanhã. E avança com outros desafios da empresa para o futuro.

Com 23 anos de história, a Almadesign é já uma referência da tecnologia de ponta em Portugal, em particular na conceção e no ‘design’ de componentes para diversas indústrias, como é o caso do setor dos transportes.

Um dos últimos projetos em que a empresa esteve envolvida foi o FLEXCRAFT, que nasceu do consórcio de que também fazem parte o INEGI, o IST, a SET.SA e a Embraer Portugal SA.

Amanhã, dia 28 de janeiro, pelas 15h30, terá lugar a cerimónia de encerramento deste projeto, no IST – Instituto Superior Técnico, em Lisboa, que pretende construir uma aeronave para um voo autónomo, flexível e modular.

Outro projeto em que a Almadesign está envolvida é o MODSEAT, em que a empresa convida o cliente a sentar-se, recostar-se e descansar no protótipo acabado do banco ferroviário do futuro para comboios regionais e intercidades.

O MODSEAT é um projeto inovador, modular, versátil e customizável, que utiliza novos processos e materiais para comboios da classe regional/intercidades. Esta é uma iniciativa totalmente portuguesa, que nasce de um consórcio liderado pela MCG e composto pela Almadesign, a ERT, o Instituto Superior Técnico e a SETsa S.A..

Em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, o CEO da Almadesign, José Rui Marcelino, explica os detalhes deste e de outros projetos de vanguarda, fatores de sucesso que levaram a empresa a trabalhar com clientes de todo o mundo, desde Israel ao Canadá, do Brasil aos Estados Unidos, faturando 65% na vertente externa.

 

Quando e como surgiu a Almadesign e com que objetivos?

A Almadesign deve-se ao desafio lançado pela Salvador Caetano, ainda hoje um dos principais clientes nacionais da Almadesign, para desenhar uma carroçaria de turismo comemorativa dos 50 anos da empresa. Deste desafio nasceu o primeiro autocarro desenhado pela Almadesign, o ENIGMA, em 1997.  Após alguns meses de colaboração, com a crescente complexidade do trabalho, tornou-se evidente que seria impossível realizar projetos de ‘design’ de transportes em Portugal sem a criação de uma estrutura capaz de responder às solicitações dos clientes, levando à formação da Almadesign, agora com 23 anos de existência.

Como tem sido a evolução da empresa nos últimos anos, em particular no que respeita a volume de negócios, componente exportadora e número de empregados?

A evolução da Almadesign tem-se caracterizado por um crescimento gradual, muito sustentado quer ao nível do volume de negócios quer do número de colaboradores. Começámos a trabalhar em Portugal, mas em 2019 as exportações da empresa representam já 65%, com o maior crescimento da empresa a ser impulsionado pelo nível da relevância dos projetos realizados e do consequente reconhecimento internacional. Em 2019, a nossa faturação andou perto de 1,23 milhões de euros, mas é um valor que nada tem a ver com o FLEXCRAFT, que sozinho tem um investimento superior a três milhões de euros, dos quais o investimento da Almadesign em três anos é inferior a 10%.

Qual a estrutura acionista da empresa?

A empresa é uma sociedade limitada composta por um acionista com 90% e um sócio com 10%. A sociedade é composta em 90% por mim e em 10% por André Castro. Não há investidores [externos].

Qual a posição acionista da Almadesign no consórcio FLEXCRAFT?

O FLEXCRADFT é um projeto de I&D [Investigação & Desenvolvimento] financiado pelo Portugal 2020 e realizado em consórcio de cinco empresas, em que cada uma tem um peso proporcional ao investimento realizado – que no caso da Almadesign é de cerca de 10%. A PI [Propriedade Intelectual] gerada pelo projeto é dividida em iguais partes entre consorciados.

Qual o ponto da situação atual do projeto Flexcraft?

O projeto está neste momento a concluir os objetivos propostos para os três anos, que se cumprem em março de 2020. Os consorciados estão neste momento a equacionar os próximos passos de desenvolvimento para levar mais longe os resultados já alcançados.

Qual o investimento global previsto neste projeto e qual as partes que será garantida por financiamento de fundos comunitários?

O projeto é financiado pelo Portugal 2020, no âmbito do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização através Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional. Os montantes envolvidos são: investimento total: 3,217 milhões de euros; investimento total elegível: 3217 milhões de euros; incentivo não reembolsável: 1,774 milhões de euros.

Quando está prevista a conclusão do FLEXCRAFT e o início da respetiva comercialização?

O projeto será apresentado publicamente no dia 28 de janeiro, mas a conclusão das atividades será celebrada com a apresentação do projeto na Aircraft Interiors, em Hamburgo, em abril de 2020. Os objetivos do projeto não prevêem a constituição de um produto comercializável. No entanto, os próximos passos referidos acima, têm em vista a aproximação das soluções desenvolvidas a uma futura comercialização ou aplicação em futuros produtos.

Quais deverão os clientes-tipo do Flexcraft?

A aeronave criada no FLEXCRAFT pretende responder a diferentes necessidades e mercados, desde serviços de logística, missões de busca e salvamento, transporte de passageiros em trajetos urbanos e suburbanos, entre outros.

Já existem encomendas para o FLEXCRAFT? se sim, de que valor, para que clientes e que mercados?

Tal como referido acima, o projeto não tem como objetivo a comercialização imediata de um produto. No entanto, existe já o interesse em levar o projeto mais próximo da comercialização e alguns clientes interessados em algumas das soluções já apresentadas, que têm migrado para outros projetos.

Quais as perspetivas de retorno financeiro que o FLEXCRAFT deverá proporcionar à Almadesign? 

O FLEXCRAFT permitirá à Almadesign adquirir competências para o desenho de interiores deste tipo de aeronaves, que constituem uma inovação no cenário da mobilidade global. É um excelente demonstrador que nos fez e fará chegar a clientes de áreas afins. Por outro lado, como membro do consórcio, a Almadesign também está interessada no desenvolvimento e exploração deste conceito de produto até à sua possível industrialização.

Quais são os outros projetos relevantes em que a Almadesign está a trabalhar ou pretende vir a participar?

Neste momento, a Almadesign está a trabalhar com diferentes clientes em diversas partes do mundo, no desenho de interiores de cabina e ‘cockpits’ de aviação, mas também no desenho de comboios, autocarros e embarcações. O sector dos transportes – aviação, ferroviário, rodoviário e náutico – continuam a ser o foco do trabalho desenvolvido na Almadesign.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

Novo Banco vende “Rei dos Cogumelos” em plena crise

O Novo Banco, maior credor do grupo Sousacamp, com 49% dos créditos, acordou a venda do maior produtor ibérico de cogumelos ao Core Capital.

Covid-19: Kaeser garante assistência a equipamentos de ar comprimido de hospitais e da indústria

Além de cerca de três mil empresas do setor industrial, em Portugal a Kaeser trabalha com hospitais como o Grupo Trofa Saúde, Hospital Santo António, Hospital de Braga, Hospital de Santa Maria, Hospital de Gaia, Hospitais de Coimbra, Hospitais Lusíadas e Fundação Champalimaud.
Comentários