Famílias pediram menos crédito em julho, com crédito à habitação no negativo

Por segmentos, a taxa de variação anual do crédito ao ‘consumo e outros fins’ diminuiu 0,8 p.p., para 4,4%, enquanto a tva do crédito à habitação situou-se em -0,6%.

Em julho de 2019, a taxa de variação anual (tva) dos empréstimos concedidos às sociedades não financeiras registou uma ligeira queda de 0,6 pontos percentuais (p.p.) face ao mês anterior. A nota divulgada pelo Banco de Portugal (BdP) sustenta que os empréstimos às sociedades não financeiras diminui para -0,2%.

Em relação às empresas exportadoras privadas, a taxa de variação anual fixou-se em -0,6%, o equivalente a um aumento de 0,3 p.p. em comparação com o mês de junho do presente ano.

No rácio de crédito vencido das sociedades não financeiras, o mês de julho, fixou-se em 8,7%, refletindo uma descida de 0,1 p.p. “A percentagem de devedores com crédito vencido reduziu-se em 0,6 p.p., para 20,7%”.

Olhando para a perspetiva das famílias a taxa de variação anual dos empréstimos concedidos foi de 0,4%. Por segmentos, a taxa de variação anual do crédito ao ‘consumo e outros fins’ diminuiu 0,8 p.p., para 4,4%, enquanto a tva do crédito à habitação situou-se em -0,6%.

O rácio de crédito vencido das famílias diminuiu 0,1 pp relativamente a junho, para 3,1%. A percentagem de devedores com crédito vencido desceu 0,2 pp, para 9,9%.

Recomendadas

Dados da ‘fintech’ do grupo Alibaba vão ser integrados no banco central chinês

A imprensa chinesa informou anteriormente que muitos dos utilizadores do serviço de pagamento receberam um aviso através da aplicação móvel, instando-os a aceitar os novos termos de utilizador, que incluem partilhar as suas informações de crédito com o Banco Popular da China (banco central).

Bancos do sul da Europa mais expostos a empresas com riscos devido a alterações climáticas

O Banco Central Europeu (BCE) advertiu hoje que os bancos dos países do sul da Europa, como a Grécia, Chipre, Portugal, Espanha e Malta, estão mais expostos a empresas com riscos mais elevados devido às alterações climáticas.

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.
Comentários