Farmacêutica investe 250 milhões para eliminar combustíveis fósseis das suas operações até 2040

Para atingir esta meta, a biotecnológica norte-americana definiu um plano de medidas a adotar a partir de 2021, que vai desde incentivar 80% dos fornecedores a adotar medidas de eliminação de combustíveis fósseis até à substituição da sua atual frota por mais de 1.500 veículos elétricos, até 2025.

A Biogen assumiu o compromisso de eliminar até 2040 os combustíveis fósseis das suas operações a nível mundial, assim como de colaborar com diversas instituições com o propósito de melhorar a saúde das populações, sobretudo das comunidades mais vulneráveis

De acordo com a nota divulgada, esta quarta-feira, estas duas iniciativas estão integradas no programa de responsabilidade Healthy Climate, Healthy Lives, no qual a empresa prevê investir 250 milhões de dólares (cerca de 206,52 milhões de euros).

Para atingir esta meta, a biotecnológica norte-americana definiu um plano de medidas a adotar a partir de 2021, e que passam por incentivar 80% dos fornecedores a adotar medidas de eliminação de combustíveis fósseis até 2025, estimando que 50% destes estejam a utilizar apenas fontes de eletricidade renováveis até 2030, aumentando para 90% até 2040.

Além disso, prevê substituir a sua atual frota por mais de 1.500 veículos elétricos até 2025, bem como instalar sistemas de carregamento destes automóveis em mais de 30 localizações. Em Portugal, por exemplo, a frota da empresa é totalmente híbrida desde 2015.

Até 2050, a Biogen quer estabelecer novas metas de química verde até 2021, e implementar esses princípios em todos os estágios do desenvolvimento de terapêuticas até 2030. Durante esse período, irá investir na eliminação, minimização e reciclagem de plástico derivado derivado de combustível fóssil.

Além das medidas enumeradas, a Biogen está ainda a colaborar com diversas instituições, tais como o MIT e a Escola de Saúde Pública T.H. Chan da Universidade de Harvard, no sentido de encontrar estratégias de mitigação do impacto ambiental e de saúde das alterações climáticas, de promover a implementação de políticas de saúde dirigidas especialmente às comunidades mais vulneráveis, e de apoiar unidades de saúde com poucos recursos.

Ler mais
Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.
Comentários