Fazer compras pelo Whatsapp? Em breve, vai ser possível

Como parte da estratégia de implementação das ferramentas de e-commerce em todas as plataformas, o Facebook anunciou que, depois do Instagram, também o Whatsapp terá um catálogo de compras para pequenos empreendedores. Ainda não há data prevista para esta funcionalidade ficar disponível em Portugal.

Chris Ratcliffe/Bloomberg

O Facebook vai avançar com um catálogo de compras para a aplicação de mensagens instantâneas, WhatsApp.

Segundo a publicação no blog da rede social de Zuckerberg, esta será uma aposta para que sejam desenvolvidas ferramentas para que o serviço de e-commerce seja implementado na app. O Instagram, que também faz parte do grupo do Facebook, já tem essa funcionalidade disponível desde março.

Porém, a nova ferramenta do WhatsApp fica aquém disso, pois as transacções não vão ser realizadas na app. Mas as pequenas empresas, os principais utilizadores da aplicação WhatsApp Business, agora podem exibir uma “loja móvel” exibindo os seus produtos com imagens e preços.

Fonte: Facebook Newsroom

“Estamos a abrir o comércio como um novo capítulo”, disse à Reuters, esta sexta-feira, Amrit Pal, gerente de produtos do WhatsApp. “Ouvimos as empresas a dizerem todos os dias que o WhatsApp é onde encontram os seus clientes, em vez de enviá-los para o site”.

Nas últimas semanas, têm sido várias as novidades a chegar ao WhatsApp. Uma das que mais se destaca é a capacidade de desbloquear a app recorrendo à impressão digital do nosso dedo. Contudo, há mais e em breve chegarão novas capacidades à plataforma de Mark Zuckerberg.

Para além dos serviços prestados para comunicação que são usados diariamente por milhões de utilizador em todo o mundo, este serviço começa a ter uma forte componente corporativa. Neste sentido, a empresa lançou o WhatsApp Business com ferramentas exclusivas para empresas.

Nesta primeira onda, os catálogos estarão disponíveis apenas em sete países: EUA, Brasil, Reino Unido, Índia, México, Alemanha e Indonésia. No futuro, deverá se alargado a mais mercados.

 

Ler mais
Recomendadas

PremiumCEO da Transavia: “Portugal é o nosso primeiro mercado”

Nathalie Stubler diz que as medidas tomadas no nosso país facilitaram a reabertura das operações.

Ministro britânico afirma que Huawei deverá reunir condições para desenvolvimento do 5G

“Tenho certeza de que o Conselho de Segurança Nacional analisará essas mesmas condições e tomará a decisão certa, para garantir que temos uma infraestrutura de telecomunicações muito forte, mas também segura”, disse este domingo Matt Hancock.

Empresas portuguesas podem pagar menos impostos em Angola

O governo angolano considera que o objetivo fundamental das alterações fiscais é “tornar ou desonerar a carga fiscal nos rendimentos mais baixos, conservar ou manter a carga fiscal dos rendimentos de escalões intermédios e introduzir progressividade nos rendimentos mais altos”.
Comentários