Fectrans pede demissão imediata da administração da Infraestruturas Portugal

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) criticou na segunda-feira a administração da Infraestruturas de Portugal (IP) por “pretender antecipar as conclusões do inquérito” ao acidente em Soure e exige “a sua demissão de imediato”.

Foto cedida

“É altura de o ministério da tutela substituir esta administração incapaz de dar prioridade a um assunto importante para evitar acidentes ferroviários e devolver à ferrovia o que é da ferrovia, concentrando nesta a gestão unificada de todos os seus segmentos – operação, infraestruturas e manutenção”, defende a estrutura sindical, em comunicado.

A Fectrans e o Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário, o seu sindicato do setor, criticam a IP por, numa altura em que decorre um inquérito para apurar as causas da colisão entre um Alfa Pendular com 212 passageiros e um veículo de conservação de catenária, da qual resultaram dois mortos, a administração ter já dito “quem são os culpados, para procurar desculpar as causas”.

“A administração foi clara a atribuir culpas e depois procurou justificar a sua incapacidade de implementar as recomendações a que estava obrigada, que se o tivesse feito, como todos reconhecem, teria evitado o acidente”, salienta a organização sindical, na mesma nota.

Para a Fectrans, a atual administração da IP “já está fora de prazo, como se comprovou pelas diversas contradições sobre o assunto em análise”.

O descarrilamento do comboio Alfa Pendular, no concelho de Soure, distrito de Coimbra, com 212 passageiros, provocou na sexta-feira dois mortos, oito feridos graves e 36 feridos ligeiros.

Dos 44 feridos, quatro tiveram alta no local, 28 foram transportados para o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, incluindo três crianças, e 12 foram assistidos no Hospital da Figueira da Foz.

Quase todos os feridos já tiveram alta hospitalar, à exceção dos três que permanecem internados em Coimbra.

O comboio seguia no sentido sul-norte com destino a Braga e o descarrilamento ocorreu após o embate entre o Alfa Pendular e uma máquina de trabalho, perto da vila de Soure, junto à localidade de Matas.

Segundo uma nota informativa do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF), a que a agência Lusa teve acesso, o veículo de conservação de catenária, no qual seguiam duas pessoas – as duas vítimas mortais -, passou um sinal vermelho e entrou na linha do Norte, tendo sido abalroado pelo comboio Alfa Pendular.

O Sindicato Nacional dos Maquinistas dos Caminho de Ferro Portugueses frisou que há “recomendações anteriores noutros incidentes semelhantes com este tipo de material motor” por parte do GPIAAF, uma das quais à IP no sentido de “este material motor ser apetrechado do sistema CONVEL [sistema de controlo automático de velocidade]” e “essa recomendação não foi seguida”.

Relacionadas

Sindicato dos Maquinistas critica falta de explicações da IP

Apesar das fortes críticas à IP, o SMAQ garante que se vai abster de fazer mais declarações sobre este assunto, preferindo aguardar, “serenamente, e confiante na competência do GPIAFF, pelo relatório final”.

IP vai contratar Critical Software para instalar nova solução de controlo de velocidade na ferrovia

Enquanto o presidente da IP, António Laranjo, defende que a linha do Norte “tem um sistema tecnologicamente avançado”, o vice-presidente Carlos Fernandes considera que o sistema Convel está ultrapassado. A nova solução só deverá entrar em funcionamento no final de 2021, na melhor das hipóteses.

Pedro Nuno Santos sobre o acidente com o Alfa: “Não está em causa a segurança da operação ferroviária em Portugal”

O ministro das Infraestruturas prometeu uma investigação rápida e com conclusões públicas. O acidente provocou dois mortos e seis feridos graves.
Recomendadas

Estabelecimentos na zona de Santos vão encerrar três horas mais cedo

Os empresários da zona de Santos, em Lisboa, vão encerrar os estabelecimentos às 23 horas, entre quinta-feira e domingo, de modo a controlar os ajuntamentos noturnos, informou esta quarta-feira à Lusa o presidente a Junta de Freguesia da Estrela.

Empresários esperam que Governo “finalmente” reabra discotecas (com áudio)

A Associação de Discotecas Nacional (ADN) espera que esta quinta-feira seja o dia “D de decisões e o D de discotecas finalmente abertas”.

TAP já está de olhos postos nos voos para o Brasil, EUA e Canadá para o próximo inverno (com áudio)

A companhia prevê 941 voos por semana durante o período entre outubro e março, mais 91 face à oferta atual.
Comentários