Fectrans reúne com Antram. Por que é que a estrutura sindical não se juntou à greve?

A Fectrans, filiada na CGTP, não aderiu à greve dos motoristas de mercadorias e matérias perigosas e, esta quarta-feira, vai retomar negociações com a entidade patronal Antram.

gasolina_combustiveis_greve_motoristas

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), filiada na CGTP, não aderiu à greve dos motoristas de mercadorias e matérias perigosas, que completa o terceiro dia esta quarta-feira e deve manter-se por tempo indeterminado. Em vez disso, a estrutural sindical, que é a maior no setor dos transportes, optou pela via da negociação e, esta semana, vai voltar a reunir-se com entidades patronais.

A greve dos motoristas, que teve início esta segunda-feira, foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM). Mais tarde, veio juntar-se a esta greve outro filiado da CGTP: o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN).

Mas a Fectrans recusou juntar-se à paralisação, alegando que “é tempo para a negociação”. Em causa está um protocolo assinado com a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) a 17 de maio, que levou à desconvocar a greve dos motoristas em abril.

O protocolo foi assinado entre a Antram e o SNMMP, que era o único sindicato que tinha convocado greve, na altura. Ao abrigo desse protocolo, as duas partes encaminharam-se para negociações e foram chamadas outras estruturas sindicais, como o SIMM e a Fectrans. Após o afastamento do SNMMP e do SIMM e consequente convocação de nova greve, as negociações continuaram em exclusivo com a Fectrans, ainda que, em termos práticos, as reivindicações sindicais sejam idênticas.

José Manuel Oliveira, coordenador da Fectrans, garante que não sente qualquer tipo de pressão, por não ter aderido à paralisação. “Há tempo para a negociação. É o que está previsto na contratação coletiva que assinámos no ano passado, que prevê a sua revisão este ano, quer no protocolo de 17 de maio. É nesse espaço que estamos a fazer a negociação com os pressupostos que foram definidos nesse protocolo”, diz.

 

O que reivindica a Fectrans?

Em cima da mesa de negociações com os patrões está o contrato coletivo de trabalho vertical (CCTV) dos motoristas. A Fectrans diz que só falta publicar a portaria específica para proibição de transporte de combustíveis em cisterna aos domingos e feriados. À saída de uma reunião na segunda-feira, o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, garantiu que a portaria está em fase de discussão pública.

A questão do valor do subsídio atribuído aos trabalhadores com formação específica para cargas e descargas é outro assunto que está a ser negociado entre motoristas e patrões. Sobre isso, Pedro Nuno Santos anunciou a criação de um grupo de trabalho para, nos próximos 90 dias, apresentar propostas ao Governo sobre essa matéria.

Quanto aos aumentos salariais reivindicados por todos os sindicatos, a Fectrans diz que está a ser negociado um aumento de 630 para 700 euros no salário-base dos motoristas de pesados. Só a partir de 2021, é que a Fectrans quer avançar para 850 euros.

A Fectrans quer ainda discutir os mecanismos de fiscalização da aplicação do contrato de trabalho com o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, António Vieira da Silva, tendo em conta que os motoristas se têm vindo a queixar de incumprimento do CCTV por parte das entidades patronais.

A estrutura sindical liderada por José Manuel Oliveira volta a reunir-se com a Antram às 14h00 desta quarta-feira, na sede da associação patronal, em Lisboa. Na próxima sexta feira, na sede do Ministério das Infraestruturas e Habitação, realiza-se uma reunião entre a Fectrans e a Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), outra associação patronal do sector rodoviário pesado de mercadorias.

Ler mais
Relacionadas

Requisição civil no transporte para aeroporto de Faro não foi cumprido

O ministro do ambiente, Matos Fernandes, anunciou, esta quarta-feira, que foi registado um “caso de incumprimento da requisição civil que é o transporte de Loulé para o Aeroporto e Faro”. Sobre os serviços mínimos generalizados diz que a avaliação será feita no final do dia.

Governo pondera alargar requisição civil entre hoje e amanhã

Matos Fernandes assegurou ainda que nas últimas 24 horas se verificou apenas mais um caso “inequívoco de incumprimento” da requisição civil decretada, relativo a seis camionistas que não comparecerem no local de trabalho em Loulé, para abastecer o aeroporto de Faro.

Pardal Henriques diz que requisição civil não vai ser respeitada. Governo garante que serviços mínimos estão a ser cumpridos

O porta-voz do sindicato dos motoristas avisa que os motoristas não vão recuar e desconvocar a greve que decorrerá por tempo indeterminado. Aos jornalistas, Pardal Henriques conta que os serviços mínimos não vão ser respeitados.
Recomendadas

PremiumPSD remete alterações ao OE para depois de eleições internas

Propostas dos sociais-democratas só dão entrada no Parlamento a partir da próxima semana. Direção de Rui Rio chama a si proposta de redução do IVA da eletricidade por ter “relevo político nacional”.

PremiumCarlos Zorrinho: “OE foi muito tático na forma como foi discutido e votado”

Eurodeputado eleito pelo PS entende que as abstenções do BE, PCP, PEV e Livre mostram vontade de continuar a negociar com o Governo. E defende uma transição digital e energética “mais justa” e concorda com propostas de redução do IVA da eletricidade.

“Este governo tem um problema que é a imprevisibilidade”

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, à Antena1/Jornal de Negócios, diz que “este governo tem um problema que é a imprevisibilidade”, uma vez que não há acordo com os partidos à esquerda e por isso não se sabe que posição vão tomar.
Comentários