Riscos do coronavírus obrigam Fed a cortar taxa de juros em 50 pontos base para 1 a 1,25%

O corte da taxa de juro directora foi justificado pelos riscos que o coronavírus apresenta para a atividade económica. “O FOMC está a monitorizar os desenvolvimentos e as suas implicações nas perspetivas económicas e irá utilizar as ferramentas e atuar como for apropriado para apoiar a economia”, justifica.

EPA/JIM LO SCALZO

A Reserva Federal norte-americana anunciou esta terça-feira um corte de 50 pontos base na federal funds rate para um intervalo entre 1% e 1,25%, devido aos riscos crescentes que o surto do coronavírus COVID-19 representa para a atividade económica.

“À luz destes riscos e para apoiar a realização do emprego pleno e da meta de estabilidade de preços, o Federal Open Market Committee (FOMC) decidiu baixar o intervalo alvo da federal funds rate“, disse a Fed em comunicado.

“O FOMC está a monitorizar os desenvolvimentos e as suas implicações nas perspetivas económicas e irá utilizar as ferramentas e atuar como for apropriado para apoiar a economia”, adiantou a instituição liderada por Jerome Powell.

A decisão entre os membros do FOMC foi unânime e ocorre duas semanas antes da reunião agendada pelo banco central deste mês, nos dias 17 e 18. A Fed tinha mantido as taxas de juro inalteradas na primeira reunião de 2020, fixadas num intervalo entre 1,50% e 1,75%.

Os principais índices bolsistas norte-americanos regressaram a terreno positivo após o anúncio da decisão, depois de abrirem em queda. O industrial Dow Jones sobe 0,08% para 26.724,81 pontos, o S&P 500 avança 0,21% para 3.096,80 pontos e o tecnológico Nasdaq valoriza 0,27% para 8.976,26 pontos.

[Atualizado às 15h34]

Ler mais

Recomendadas

Sassoli apela ao Eurogrupo: “Precisamos de encontrar formas novas e comuns de financiamento”

Em vésperas de nova ronda de negociações dos ministros das Finanças europeus, o Presidente do Parlamento Europeu defendeu que o Eurogrupo “tem de estar à altura do desafio” e que “o colapso de um país teria, inevitavelmente, consequências dramáticas para todos os outros”.

Covid-19: Coface prevê maior número de insolvências de empresas desde 2009

A empresa especilizada na gestão de crédito prevê ainda recessões em 68 países (contra apenas 11 no ano passado), uma queda do comércio mundial de 4,3% este ano (após uma queda de -0,4% em 2019), e um aumento de 25% das insolvências de empresas a nível mundial (em comparação com a nossa previsão de Janeiro passado, que era de +2%).

Pandemia: 34% dos portugueses receiam colapso da Segurança Social e 20% temem perder o emprego

Se há uma semana 81% dos portugueses inquiridos apresentava elevada preocupação face à crise atual, hoje, são 90%. E 18% dos portugueses ativos antes da epidemia afirmam já ter perdido, mesmo que temporariamente, o seu emprego.
Comentários