Riscos do coronavírus obrigam Fed a cortar taxa de juros em 50 pontos base para 1 a 1,25%

O corte da taxa de juro directora foi justificado pelos riscos que o coronavírus apresenta para a atividade económica. “O FOMC está a monitorizar os desenvolvimentos e as suas implicações nas perspetivas económicas e irá utilizar as ferramentas e atuar como for apropriado para apoiar a economia”, justifica.

A Reserva Federal norte-americana anunciou esta terça-feira um corte de 50 pontos base na federal funds rate para um intervalo entre 1% e 1,25%, devido aos riscos crescentes que o surto do coronavírus COVID-19 representa para a atividade económica.

“À luz destes riscos e para apoiar a realização do emprego pleno e da meta de estabilidade de preços, o Federal Open Market Committee (FOMC) decidiu baixar o intervalo alvo da federal funds rate“, disse a Fed em comunicado.

“O FOMC está a monitorizar os desenvolvimentos e as suas implicações nas perspetivas económicas e irá utilizar as ferramentas e atuar como for apropriado para apoiar a economia”, adiantou a instituição liderada por Jerome Powell.

A decisão entre os membros do FOMC foi unânime e ocorre duas semanas antes da reunião agendada pelo banco central deste mês, nos dias 17 e 18. A Fed tinha mantido as taxas de juro inalteradas na primeira reunião de 2020, fixadas num intervalo entre 1,50% e 1,75%.

Os principais índices bolsistas norte-americanos regressaram a terreno positivo após o anúncio da decisão, depois de abrirem em queda. O industrial Dow Jones sobe 0,08% para 26.724,81 pontos, o S&P 500 avança 0,21% para 3.096,80 pontos e o tecnológico Nasdaq valoriza 0,27% para 8.976,26 pontos.

[Atualizado às 15h34]

Ler mais

Recomendadas

Covid-19: Mais de 530 mil pessoas vacinadas na região Centro

João Paulo Rebelo falava no âmbito de uma visita que realizou aos concelhos do Fundão e da Covilhã, no distrito de Castelo Branco, e que também contou com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, e da secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira.

“Governo beneficia casinos mas esquece os trabalhadores”, diz federação intersindical

A Federação intersindical do setor do turismo exige medidas de apoio aos trabalhadores dos casinos, depois do Executivo ter decidido isentar estes estabelecimentos do pagamento do imposto de jogo e prolongado as concessões dos casinos de Lisboa, Estoril e Figueira da Foz, que terminaram a 31 de dezembro de 2020. FESAHT acusa o Governo: “aos patrões do jogo dá tudo, tudo, aos trabalhadores dá nada, nada”.

EUA: Produção industrial sobe pelo segundo mês seguido, apesar de constrangimentos no sector automóvel

A indústria norte-americana beneficiou com a reabertura de várias fábricas dos estados do sul afetados pela tempestade de fevereiro, mas a indústria automóvel penalizou o resultado final, com uma queda de 4,3% na produção a refletir as dificuldades causadas pelos atrasos no fornecimento de chips.
Comentários