Fed: reuniões apontam debilidade na inflação como “transitória”

De acordo com as conclusões retiradas do encontro que teve lugar a 30 de abril e 1 de maio, os principais responsáveis pelo grupo que define a política monetária norte-americana determinaram que manter a paciência “é a postura adequada” neste momento.

EPA/JIM LO SCALZO

As atas da última reunião de dois dias do Comité Federal de Mercado Aberto da Reserva Federal norte-americana apontam para o facto de se considerar a debilidade na inflação como “transitória”. De acordo com as conclusões retiradas do encontro que teve lugar a 30 de abril e 1 de maio, os principais responsáveis pelo grupo que define a política monetária norte-americana determinaram que manter a paciência “é a postura adequada” neste momento.

“Os membros analisaram que será apropriado por mais algum tempo um enfoque paciente para determinar os ajustes futuros no objetivo da taxa de fundos federais, especialmente num contexto de crescimento económico moderado e pressões inflacionárias moderadas, mesmo que as condições económicas e financeiras mundiais continuem a melhor”, refere o documento onde foram resumidos os temas tratados nesta reunião.

Vários participantes nestas reuniões ressalvaram que alguns dos riscos e incertezas que rodearam as suas perspetivas no início deste ano começaram a moderar-se, incluindo os receios relacionados com um enfraquecimento da economia mundial, o Brexit ou as negociações comerciais com a China.

Desde o desfecho das últimas reuniões, cujas conclusões foram expressas nas minutas divulgadas esta quarta-feira, é importante notar que o contexto económico mudou consideravelmente sobre na frente comercial onde EUA e China têm vindo a reforçar uma autêntica guerra de tarifas comerciais.

Na conclusão do encontro, que teve lugar no primeiro dia de maio, Jerome Powell, presidente da Reserva Federal, ‘deitou por terra’ a ideia de um possível corte das taxas de juro por parte do banco central como próximo ato, ao assegurar que a Fed não estava preocupada pela inflação baixa.

Relacionadas

Respostas Rápidas: por que razões Trump quebrou as tréguas comerciais com a China?

No domingo, Trump recorreu ao Twitter para, unilateralmente, acabar com as tréguas comerciais, anunciando mais tarifas às exportações chinesas. O presidente dos EUA, além de querer reduzir o défice comercial com a China, quer forçar a sua posição, fazendo com que os chineses aceitem aumentar os níveis de proteção dos direitos de autor. Mas há quem defenda que o protelar da incerteza poderá constituir um trunfo político para Trump usar nas presidenciais de 2020.

Nem para um lado, nem para outro: Fed não vê razões para alterar política monetária

Questionado sobre a especulação nos mercados em relação a um corte nas taxas de juro este ano, Jerome Powell, presidente da Reserva Federal respondeu que de momento não vê essa possibilidade como necessária.
Recomendadas

Confiança dos consumidores volta a aumentar em junho

O saldo das expectativas relativas à evolução da situação económica do país aumentou em junho, após ter diminuído ligeiramente no mês precedente, revela esta quinta-feira o INE.

Igreja quer transformar antigos seminários em residências universitárias

Segundo o secretário de Estado do Ensino Superior, o objetivo é dar resposta “imediata e robusta, logo no início do próximo ano letivo”, revelando a impossibilidade de ter 12 mil camas novas já em setembro.

Joana Marques Vidal fala segunda-feira na SEDES sobre “a corrupção e autonomia do Ministério Público”

O evento enquadra-se no Ciclo de Debates “Ao fim de tarde na SEDES com quem sabe”, do qual o Jornal Económico é ‘media partner’. Na palestra, anterior, que decorreu a 24 de junho, o antigo Presidente da República, Ramalho Eanes, alertou que a corrupção “grassa pela sociedade”.
Comentários