Federação Alemã de Futebol diz que enfrenta a maior crise económica

O tesoureiro Stephan Osnabrugge apresentou números para apresentar numa assembleia geral que mostram uma possível perda de quase 77 milhões de euros no pior dos cenários, mas assegura que o défice será menor se os jogos das seleções nacionais puderem recomeçar no segundo semestre de 2020.

A Federação Alemã de Futebol (DFB) anunciou hoje que enfrenta a mais profunda crise económica da história do organismo, devido às pesadas perdas causadas este ano pela pandemia de covid-19.

O tesoureiro Stephan Osnabrugge apresentou números para apresentar numa assembleia geral que mostram uma possível perda de quase 77 milhões de euros no pior dos cenários, mas assegura que o défice será menor se os jogos das seleções nacionais puderem recomeçar no segundo semestre de 2020.

Osnabrugge diz que isso significa “a mais profunda crise económica” na história da DFB, mas ressalva que esta “não está em risco de insolvência”.

Numa reunião realizada por videoconferência, a DFB anunciou o final da temporada para todas as competições juniores e para a segunda divisão feminina.

A DFB confirmou que a terceira divisão masculina será retomada no sábado, apesar das objeções de alguns clubes e federações estaduais, enquanto a I e II divisões foram reiniciadas no início deste mês.

Recomendadas

Andebol, basquetebol, futsal, patinagem e voleibol regressam no dia 22 de agosto

As respetivas federações estiveram hoje reunidas, por videoconferência, com representantes da Direção-Geral da Saúde (DGS) e da Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto a “finalizar a análise ao Protocolo Orientador de Regresso aos Treinos e Competições – Covid-19”, que permita consumar as pretensões destas modalidades.

Sem britânicos para jogar golfe, turismo português vai perder mais de 1000 milhões de euros. Veja o “Jogo Económico”

Nesta indústria, estima-se um impacto de 135 milhões de euros mas se alargarmos essas perdas para hotelaria e restauração, estes 135 milhões de euros de prejuízo terão de ser multiplicados por dez. Para esta reflexão, contamos com a presença de Luís Correia da Silva, presidente do Conselho Nacional da Indústria do Golfe.

Fernando Gomes reeleito para terceiro e último mandato na FPF

Aos 68 anos, Fernando Gomes foi reeleito pela terceira vez para o cargo, para um mandato até 2024, pela segunda vez sem oposição, depois de ter vencido as eleições de 2011 frente a Carlos Marta.
Comentários