Felipe González: “Trump vai acelerar o declínio dos Estados Unidos”

Antigo chefe de governo espanhol diz-se contra todos os dirigentes que não são democratas e coloca o presidente norte-americano nesse grupo.

Felipe González, ex-presidente de governo espanhol, esteve Conselho das Américas, em Nova Iorque, numa aparição pública que vai rareando e em que foi muito crítico do presidente dos Estados Unidos, ao afirmar que “Trump vai acelerar o declínio dos Estados Unidos, não é possível governar com um tweet e sem instituições, não entende que o grande poder americano são suas empresas globais, que têm seu mercado no mundo. Fechar as fronteiras é um erro”.

Gonzalez estendeu as suas críticas contundentes à questão das mudanças climatéricas, que Trump tende a negar e a que chamou “populismo ultrapassado”.

O ex-chefe de governo afirmou ainda, citado pela agência EFE, que “para mim não há tiranos mais ou menos aceitáveis ​​dependendo da bandeira, eles são todos tão inaceitáveis, como Nicolás Maduro na Venezuela. O que acontece na Venezuela é uma tirania arbitrária que destruiu a economia e a democracia“ e que “levou a um êxodo bíblico sem precedentes, que todos os meses expulsa 100 mil venezuelanos do país”.

González, ex-líder do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) declarou-se moderado, para especificar que “a única coisa que eu sou radical é na defesa da democracia em perigo: nós democratas temos que fazer uma análise crítica sobre o que leva o populismo a crescer”.

Gonzáles também abordou temas de Espanha, para se manifestar em defesa da monarquia no país e assegurou que os ataques contra a instituição tentam desviar a atenção para outras questões. Recorde-se que o ex-chefe de governo teve sempre uma postura definitivamente anti-independentismo, não só no que dizia respeito à Catalunha como principalmente em relação ao País Basco.

Recomendadas

Brexit: UE concorda com extensão mas impõe 22 de maio como data-limite

“O Conselho Europeu concorda com uma extensão até 22 de maio de 2019, desde que o Acordo de Saída seja aprovado pela Câmara dos Comuns na próxima semana”, lê-se no comunicado.

“Não há mais como escapar”. Como os políticos brasileiros reagiram à detenção de Michel Temer

A Polícia Federal brasileira deteve hoje de manhã Michel Temer e tenta cumprir outros mandados contra aliados do antigo Presidente brasileiro, numa ação a pedido dos investigadores da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro. As reações não se fizeram esperar.

Extrema-direita holandesa ganha eleições provinciais e assusta liberais

O primeiro-ministro liberal Mark Rutte pode ter os dias contados à frente do governo. A extrema-direita, herdeira de Geert Wilders, estará em breve à frente do Senado. Mais um sinal de alerta-vermelho para a União Europeia.
Comentários