Fenprof diz existirem mais de 330 escolas com casos de Covid-19. Veja aqui a lista

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) atualizou esta terça-feira, 20 de outubro, a lista de escolas com casos positivos de covid-19 entre alunos, professores e funcionários, subindo para mais de 330 os estabelecimentos de ensino com registo de surtos do novo coronavírus. Estrutura sindical reafirma que para aumento de casos está a contribuir a não realização de testes na maior parte das escolas em que são detetados casos positivos.

José Sena Goulão/Lusa

A Fenprof divulgou a lista de 332 estabelecimentos públicos e privados onde existem ou existiram casos de covid-19. Estrutura sindical dos professores diz que casos de Covid-19 quase triplicou, em pouco mais de uma semana. E ameaça recorrer aos tribunais para ter acesso a lista atualizada de situações de Covid-19 nas escolas, com indicação do número de pessoas infetadas e procedimentos adotadas, dado não ter recebido resposta do Ministério da Educação.

“Em pouco mais de uma semana, o número de escolas que a Fenprof confirmou como já tendo tido (na larga maioria, tendo ainda ativos) caso(s) de Covid-19 quase triplicou”, revela federação sindical em comunicado, realçando que há, ainda, “um número significativo em fase de confirmação”, na sequência de informações que, constantemente, estão a chegar.

Segundo a Fenprof, para este aumento de casos nas escolas que, por sua vez, também se repercute nas comunidades, “está, certamente, a contribuir a não realização de testes na maior parte das escolas em que são detetados casos positivos”. Para além disso, assegura estarem a ser adotados procedimentos que são contrários às recomendações da Direção-Geral da Saúde que, diz, fazem aumentar, ainda mais, o risco.

A federação sindical dá aqui exemplos de escolas  em que as turmas entram em período de quarentena, mas os seus professores, sem realizarem qualquer teste, mantêm atividade presencial com outras turmas. E outros casos de turmas e escolas do 1.º Ciclo e/ou jardins de infância onde se verificaram infeções de Covid-19, levando alunos, professores ou educadores e funcionários a entrar em período de quarentena. “No entanto, sem realizarem qualquer teste, os docentes de Educação Especial, de Inglês do 1.º Ciclo ou com atividade de coadjuvação naquelas turmas mantêm-se em atividade em outros estabelecimentos, circulando entre eles, apesar de se desconhecerem o seu estado de saúde e a possibilidade de serem agentes ativos de transmissão”, explica.

A Fenprof destaca ainda que em todo o país, no âmbito do processo de avaliação do desempenho, milhares de professores deslocam-se a diversas escolas para realizarem a observação de aulas de outros docentes. Este procedimento, diz, “obriga a deslocações, entrada de estranhos ao espaço escolar e multiplicação de contactos em salas de aula, a maior parte já sem respeitar o distanciamento necessário, devendo, neste período em que se impõem fortes restrições, ser definido um procedimento de caráter excecional que garanta, ao docente em avaliação, que não será penalizado”.

Ameaça de recurso a tribunais para obter lista atualizada

A estrutura sindical dos professores recorda ainda que a Fenprof solicitou ao Ministério da Educação, em 8 de outubro, o acesso a lista atualizada de situações de Covid-19 nas escolas, com indicação do número de pessoas infetadas e procedimentos adotadas.

Explica aqui que “fê-lo, por se tratar de um direito que a lei lhe reconhece, ainda mais tratando-se de matéria do âmbito da segurança e saúde no trabalho” e dá conta de que “até hoje não recebeu qualquer resposta, mas caso esta não exista, passados dez dias úteis após a data de formulação do pedido (conforme o disposto no Código de Procedimento Administrativo, neste caso, a partir de 22 de outubro), a Fenprof recorrerá aos tribunais para, através dos meios legais existentes, obrigar o Ministério da Educação a disponibilizar aquela informação”.

Para a Fenprof aquela listagem é “determinante” para uma avaliação global da situação nas escolas e “a tomada de decisões adequadas ao problema que todos estamos a viver”, sinalizando que qualquer medida que venha a ser adotada no âmbito da segurança e saúde no trabalho, não se encontrando o país em estado de emergência ou de sítio, “é de negociação obrigatória com as organizações sindicais”.

A federação sindical liderada por Mário Nogueira reafirma que “não é o silêncio, o encobrimento e o diz-que-disse que evita o alarmismo e promove a tranquilidade e a confiança indispensáveis ao normal funcionamento das escolas. A não realização de testes a quem contactou pessoas infetadas poderá, no imediato, disfarçar a dimensão de um problema que já não é pequeno, mas tornar-se-á num dos fatores que, a curto prazo, levará a uma situação de descontrolo, podendo impor o encerramento das escolas”. E acrescenta que “ninguém esquece as consequências negativas para os alunos, para os professores e para as famílias, de três meses e meio de ensino a distância”, considerando que “poderá o governo, com a forma errada como está a lidar com a Covid-19 nas escolas, tornar-se o responsável pelo crescente número de alunos e professores em casa, por turmas sem aulas presenciais e, mesmo, por escolas encerradas, tudo ao contrário do que tem dito defender”.

Professores com ‘luz verde’ para teletrabalho

“Outro aspeto muito presente nos contactos que professores, outros trabalhadores das escolas e pais têm estabelecido com a Fenprof é o aumento do número de casos onde, inicialmente, apenas havia uma pessoa infetada. Entretanto, devido ao crescente número de situações, que também atingem diversos professores, estes começaram a ser autorizados pela Direção-Geral da Administração Educativa a exercer atividade em regime de teletrabalho”, revela.

Para a estrutura sindical, o recurso ao teletrabalho “não é a solução desejada, tudo devendo ser feito para manter o regime presencial”.

Contudo, prossegue, o crescente aumento de casos, acompanhando o que se passa na comunidade, “justifica que aquela seja alternativa aceitável, pois, em limite, salvaguarda o direito das crianças e jovens ao ensino e dá resposta a dois problemas relacionados com os docentes: a falta de professores para substituir os que estão ausentes das escolas (grupos de risco, doença ou a cumprir quarentena); evita que os docentes de risco que se encontram em casa há 30 dias deixem, a partir do 31.º dia, de receber salário, passando a ter atividade útil às escolas”.

Fenprof aplaude “desagendamento” da discussão da obrigatoriedade da app Stay Away Covid

Em comunicado, a Fenprof termina o comunicado, aplaudindo o desagendamento da proposta de lei do governo que previa a obrigatoriedade de instalação da app Stay Away Covid, cuja discussão no Parlamento estava prevista para a próxima sexta-feira, 23 de outubro no Parlamento.

“A Fenprof  congratula-se pelo “desagendamento” da proposta de lei do governo que previa a obrigatoriedade de instalação da app Stay Away Covid”, acrescentando que relativamente ao regresso às escolas após 10 dias sem realização de qualquer teste, mas sendo necessária uma declaração médica de alta que ateste que já não existe risco de contágio, esta estrutura sindical “afirma a sua confiança nos médicos que, certamente, serão rigorosos na apreciação que farão e recusarão ser elementos facilitadores da propagação da Covid-19”.

Recomendadas

Pressão nos hospitais pode subir com aumento de infeções entre pessoas com mais de 80 anos

A preponderância da variante Delta no território português, que se verifica já em todas as regiões de saúde do país, poderá levar a um aumento da pressão nos serviços de saúde dado o ressurgimento das infeções entre a população acima dos 80 anos, que tem maior risco de doença grave.

Total de farmácias com testes rápidos comparticipados cresce para 406

O regime excecional prevê que cada pessoa possa realizar quatro testes rápidos por mês totalmente comparticipados desde que ainda não tenham certificado de vacinação completa ou um certificado que ateste que recuperaram da doença.

Portugal já garantiu mais 24 milhões de vacinas até 2023 caso sejam precisas mais do que duas doses

As preocupações com a eficácia dos fármacos até agora aprovados na UE contra as novas variantes mais contagiosas do coronavírus levaram à possibilidade de uma terceira dose da vacina, algo que o Infarmed alerta que carece ainda de dados.
Comentários