Ferraz da Costa: “Para muitas pessoas os salários são mais altos do que deviam”

O presidente do Fórum para a Competitividade critica as 35 horas semanais, a falta de investimento no crescimento e garante que professores portugueses são dos mais bem pagos na União Europeia.

O presidente do Fórum para a Competitividade, Pedro Ferraz da Costa, e economista, considerou que existem portugueses que recebem demasiado para as horas que trabalham. Em entrevista ao jornal ‘i’, o economista reforçou que as 35 horas semanais praticadas na função pública são um erro e acusou o Governo de não fazer nada para aumentar o crescimento a nível nacional.

Pedro Ferraz da Costa criticou os horários que são praticados no serviço público, onde inclui os hospitais. Embora não explique a profissão a que se refere, o economista diz que há quem receba demasiado para o trabalho que desenvolve. “Não estou a dizer que os salários devem ser altos ou baixos. Acho que para muitas pessoas até são mais altos do que deviam, pois não deviam ser tão altos para os que apresentam maior absentismo ou para os que não se importam com o que se passa ou para os que ficaram em casa”, justificou-se.

As declarações dadas em entrevista ao ‘i’, surgem depois do economista criticar os professores. O líder do Fórum para a Competitividade afirma que os professores nacionais “são dos mais bem pagos ou os segundos mais bem pagos em paridade de poder de compra da União Europeia”.

Ferraz da Costa sublinha que não concorda com o funcionamento da função pública, e critica as 35 horas de trabalho semanais: “Toda a gente critica essa medida e não é só as 35 horas semanais. Os funcionários públicos também têm direito a ter reforma mais cedo, trabalham menos anos, menos horas, têm mais feriados e contam com sistemas de avaliação mais ligeiros”.”E porquê se trabalham menos horas? É só por questões eleitorais”, acusa o economista.

“Não me recordo nesta legislatura de ter ouvido um conjunto organizado de medidas com o objetivo de pôr o país a crescer”, declara Pedro Ferraz da Costa, ao mesmo tempo que afirma ser uma constante nos governos portugueses desde o fim do regime salazarista.

Com a contratação de médicos portugueses por parte da Galiza e Irlanda, o economista refere que não há interesse externo em vir para Portugal porque “as condições não são muito boas. Quando olhamos para o diferencial de salários entre o que ganha um médico em Portugal e o que é oferecido a um médico na Galiza ficamos com uma ideia clara do desnível que existe”.

Apesar destas fazer críticas salariais, Ferraz considera que os níveis migratórios nacionais não aumentaram devido às condições salariais. “As pessoas emigraram porque acharam que tinham hipótese de lutar por uma promoção profissional”

Ler mais
Recomendadas

Défice da balança de bens e serviços aumenta nos primeiros três meses do ano

Em comparação com o período homólogo, verifica-se que o défice do saldo acumulado das balanças aumentou, sendo que em 2018 o valor fixou-se nos 78 milhões de euros.

Eletricidade em Portugal entre as mais caras da União Europeia

Portugal paga a sexta eletricidade mais cara entre os estados-membros. É de destacar que as taxas e impostos e outros custos do sistema elétrico pesam 55% na fatura total dos portugueses.

Mais otimista, OCDE revê em alta crescimento da economia da zona euro para 1,2% este ano

OCDE cortou para 3,2% a estimativa do crescimento da economia global este ano. No entanto, revê em alta as previsões sobre a expansão da economia da zona euro, que deverá ser suportada pelo consumo privado, ainda que a incerteza política, a fraca procura externa e a baixa confiança empresarial continuem a pesar.
Comentários