Festa do Avante: Marcelo Rebelo de Sousa diz que vai examinar parecer da DGS “antes de opinar”

O Presidente da República admite que gostaria que as regras tivessem tido divulgadas com mais antecedência mas diz que é importante que os portugueses “fiquem convencidos da credibilidade das instituições” face às soluções tomadas para que o evento do PCP seja realizado de forma segura.

TIAGO PETINGA/LUSA

O Presidente da República admitiu esta segunda-feira que gostaria de ter conhecido há mais tempo as regras de segurança sanitária para a Festa do Avante e que ainda não teve oportunidade de ler o parecer técnico sobre o evento elaborado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Falando aos jornalistas, em Faro, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que o documento é “complexo” dado que “remete para várias decisões, sobre várias situações compreendidas que vão desde o transporte, à circulação, à restauração, espectáculo, lotações”, mas que ainda não teve oportunidade para o ler.

“Espero poder fazê-lo hoje à noite”, esclareceu aos jornalistas. “Vou examinar as regras antes de poder opinar sobre elas. Não posso, só com base naquilo que ouvi, sem ter lido o documento, dizer aquilo que penso”, vincou. Marcelo admitiu ainda que “teria preferido ter conhecido as regras há mais tempo e ter conhecido não porque houve uma insistência para que fossem divulgadas, mas sim porque havia um dever óbvio e cívico de divulgação. Agora que foram divulgados, tenho de as conhecer em pormenor”.

Para o Presidente, é importante que os portugueses “fiquem convencidos da credibilidade das instituições” face às soluções tomadas para que a Festa do Avante, organizada pelo PCP, seja realizada de forma segura numa altura altura em que existe uma “evolução, que não é positiva, da pandemia no nosso país”.

As declarações surgem momentos depois da DGS ter divulgado o documento com as orientações técnicas para o evento do partido comunista, que decorre entre 4 a 6 de setembro. O total de lotação da Festa do Avante! será, este ano, de 16.563 pessoas, acordo com o parecer técnico da entidade gerida por Graça Freitas. Um número significativamente menor do que os 33 mil participantes que tinham sido anunciados pelo PCP no início de agosto e bastante menor do que a capacidade do recinto, 100 mil pessoas.

Segundo o documento, no palco principal, poderão estar apenas duas mil pessoas em simultâneo enquanto que nas várias esplanadas ao longo do recinto poderão estar 2.500 pessoas ao mesmo tempo.

Todos os visitantes do Avante com mais de dez anos serão obrigados a utilizar máscara e o consumo de álcool depois das 20h00 está também proibido, com excepção das refeições.

Ler mais
Relacionadas

Festa do Avante: Marcelo Rebelo de Sousa diz que vai examinar parecer da DGS “antes de opinar”

O Presidente da República admite que gostaria que as regras tivessem tido divulgadas com mais antecedência mas diz que é importante que os portugueses “fiquem convencidos da credibilidade das instituições” face às soluções tomadas para que o evento do PCP seja realizado de forma segura.

PCP: Avante com espetáculos sem álcool, novos horários e três grandes palcos

A lotação passa assim de 100 mil pessoas para cerca de 16.500 pessoas, segundo estipulou a DGS. Para assistir aos espetáculos, só em lugares sentados e as cadeiras serão higienizadas entre espetáculos.

Festa do Avante: PSD aponta que riscos de saúde “não podem ser ignorados por razões partidárias”

“Os riscos de saúde para as populações não podem ser ignorados por razões partidárias”, disse o deputado Ricardo Baptista Leite.
Recomendadas

Presidente chinês vai participar em cimeira virtual sobre clima organizada por Biden

China e Estados Unidos são os dois maiores emissores de gases de efeito estufa, a fonte do aquecimento global. O acordo entre os dois países é, portanto, considerado crucial para o sucesso dos esforços internacionais na redução das emissões.

Ibero-Americana: Marcelo e Costa pelo multilateralismo e contra desunião no combate à covid-19

“Estamos todos no mesmo barco, ninguém se salva sozinho”, declarou o chefe de Estado, antes de acentuar perante o rei e o primeiro-ministro de Espanha que o combate à pandemia da covid-19 “é uma questão global e não de uma questão eleitoral, partidária, de um grupo social ou económico”.

Portugal respondeu a Bruxelas sobre atraso na adoção de diretiva das telecomunicações dez dias depois do prazo

A Comissão Europeia está agora a avaliar os argumentos apresentados por Portugal para explicar o atraso na adoção da diretiva europeia. Dos 24 Estados-membro alvo de um processo de infração apenas a Dinamarca concluiu a transposição. Há 15 países na mesma situação que Portugal.
Comentários