Ficou sem luz? Este site pode ajudar

O regulador da energia lançou hoje um ‘site’ sobre a quantidade, duração e motivo das interrupções do fornecimento de eletricidade, incumprimentos que em 2017 levaram a compensações aos clientes da ordem dos 150 mil euros.

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) reconhece que a qualidade de serviço técnica do setor elétrico é “particularmente crítica” no caso dos clientes industriais, cujo processo produtivo depende da continuidade do fornecimento de eletricidade, mas admite que a nova página na internet também tem em vista os clientes domésticos.

Ao contrário dos clientes industriais, os domésticos reclamam sobre faturação, mas não sobre a qualidade do serviço, pretendendo o regulador que o ‘site’, além de ser útil aos clientes empresariais, se torne numa ferramenta de maior transparência para o cidadão comum.

A presidente da ERSE, Cristina Portugal, num encontro com jornalistas hoje, em Lisboa, para assinalar o lançamento do ‘site’, enalteceu a importância desta nova ferramenta para a avaliação da continuidade do serviço na zona de residência, ou onde está instalada a empresa, e para saber se a interrupção resultou de um incidente ou de uma intervenção realizada pelo operador.

“A uns clientes [os domésticos] esta ferramenta pode torná-los mais sensíveis [à qualidade de serviço técnica] e a outros [os industriais] pode dar uma resposta”, disse Cristina Portugal.

O ‘site’ contém também informação sobre as compensações pagas sempre que não são cumpridos os padrões de qualidade e sobre a evolução temporal da qualidade de serviço, bem como a caracterização e comparação da rede elétrica a nível nacional e europeu.

Em 2017, a ERSE registou 13.495 incumprimentos de padrões individuais de continuidade de serviço que deram lugar a compensações aos clientes da ordem dos 150 mil euros.

Ler mais
Recomendadas

Tem carro a gasóleo? Vem aí novo aumento na próxima semana

Já a gasolina vai sofrer uma descida pela segunda semana consecutiva.

Premium“A classe média ainda não pode viver em Lisboa”

CEO e fundador da Essentia explica que, apesar de existir uma estabilização dos preços no mercado da reabilitação urbana, os portugueses que chegam ao centro histórico da cidade pertencem à “classe média alta e alta”.

Governo reforça camas para universitários

No âmbito do Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior, as regiões do país ampliam a oferta de residências.
Comentários