Fidelidade compra 1 milhão de euros em obrigações do BCP

Em causa estão três operações de aquisição, realizadas na quinta-feira, sendo que na primeira a Fidelidade comprou 400 mil euros em obrigações, na segunda 200 mil euros e na última outros 400 mil euros.

A seguradora Fidelidade comprou um milhão de euros em obrigações do Banco Comercial Português (BCP), comunicou esta terça-feira a instituição financeira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

De acordo com a informação remetida ao mercado, os administradores do BCP Jorge Magalhães Correia e Lingjiang Xu são também administradores da seguradora.

Em causa estão três operações de aquisição, realizadas na quinta-feira, sendo que na primeira a Fidelidade comprou 400 mil euros em obrigações, na segunda 200 mil euros e na última outros 400 mil euros, perfazendo um milhão de euros.

Em 14 de agosto, a seguradora já tinha adquirido 1,4 milhões de euros em obrigações perpétuas do BCP.

Na sessão de hoje da bolsa portuguesa, as ações do BCP cederam 2,52% para 0,08 euros.

Recomendadas

CGD relança venda do Banco Caixa Geral no Brasil

O Banco Caixa Geral Brasil vai voltar à praça. O Governo aprovou em Conselho de Ministros o lançamento de um novo concurso de venda.

Sindicatos rejeitam aumentos zero na banca para 2021

“Os sindicatos propuseram uma revisão em 1,5% das tabelas salariais, pensões de reforma e cláusulas de expressão pecuniária, assim como um aumento de 3,1% relativo aos SAMS. Propostas que foram rejeitadas pelo Grupo Negociador das Instituições de Crédito (GNIC), que propôs, em contrapartida, uma atualização de 0% das tabelas salariais e dos SAMS”, dizem os sindicatos.
João Gama Leão Prebuild

Dono da Prebuild investiu no GES com crédito e Salgado disse-lhe que “a família nunca esquece quem a ajuda”

O dono da Prebuild contou o seu percurso profissional desde Angola até Portugal, altura em que foi convidado pelo BES a investir da ESI com dinheiro do BES garantido pelo BESA. Relatou que “o momento alto da sua carreira” foi almoçar com Ricardo Salgado. Concluiu que “a queda do meu grupo é responsabilidade do Novo Banco”, por não ter sido recebido pelo banco em 2014 e com isso ter estrangulado a liquidez do seu grupo.
Comentários