Fidelidade adquire 70% da Insurtech Prosperity Group

Fidelidade procura aumentar oferta de seguros de poupança com este negócio. Insurtech tem uma forte presença na Suíça e Alemanha, mas também na Áustria, Itália e Liechtenstein.

A Fidelidade anunciou ter fechado um acordo para a aquisição de 70% da Insurtech Prosperity Group, que está presente nos mercados suíço e alemão. O valor da operação não foi revelado, mas a seguradora portuguesa, controlada pela chinesa Fosun, revela que o negócio vai melhorar a oferta da Fidelidade em seguros de poupança. A conclusão do negócio está dependente, agora, da aprovação das autoridades de supervisão relevantes.

Em comunicado, a Fidelidade sublinha que “a operação assegura o controlo de gestão por parte da Fidelidade bem como a manutenção da equipa de gestão executiva, que reforça a sua posição acionista para 30%, num claro sinal de continuidade do projeto e de confiança no futuro da companhia”.

Para o presidente executivo da seguradora portuguesa, Rogério Campos Henriques, a Insurtech Prosperity Group “é uma empresa inovadora” que representa uma oportunidade de negócio importante. Afinal, mais de 98% dos seus clientes proveem da Suíça e Alemanha, “dois dos mercados europeus com o mais alto nível de sofisticação e maturidade nesta linha de negócio”.

“Com esta aquisição, a Fidelidade procura reforçar as suas competências e expandir o seu negócio, melhorando a sua oferta em seguros de poupança e disponibilizando soluções mais flexíveis aos seus parceiros de negócio na distribuição”, afirma Rogério Campos Henriques.

A Insurtech Prosperity Group tem como principal atividade o desenvolvimento de produtos de poupança de longo prazo. Além de estar presente na Suíça e Alemanha, esta seguradora tem atividade também na Áustria, Itália e Liechtenstein. O grupo Insurtech controla um total de 67 mil apólices, sendo que os prémios brutos em 2020 ascenderam a 145 milhões de euros. Já o volume de prémios globais comprometidos expectáveis superam os 4.000 milhões de euros, refere o comunicado.

 

Recomendadas

Hélder Rosalino reconduzido no Banco de Portugal com efeitos retroativos a 2019

Hélder Rosalino tem menos de três anos pela frente na administração do Banco de Portugal porque o Governo reconduziu o ex-governante social democrata, mas com efeitos retroativos a setembro de 2019. O mandato dos administradores do banco central são de cinco anos.

Fitch admite que o malparado dos bancos portugueses vai aumentar em 2022

Rafael Quina antevê que o malparado decorrente de 18 meses de moratória se vai fazer sentir especialmente em 2022. O analista disse ainda que há espaço para aumentar a consolidação bancária o que “ajudaria a melhorar os modelos de negócio da banca portuguesa, no sentido de  aumentar a resiliência e a rentabilidade”. Mas ainda há barreiras a derrubar.

Banco CTT vai recolher e reciclar cartões de débito inutilizados através de envelope RSF

“O Banco CTT tem neste momento uma base com mais de 600 mil clientes, pelo que acreditamos que juntarmo-nos a este movimento terá um impacto a prazo relevante na fomentação de hábitos de sustentabilidade ecológicos”, afirma no comunicado Luís Pereira Coutinho, Presidente Executivo do Banco CTT.
Comentários