Figo, Ronaldo e Félix. Ninguém vende camisolas como os portugueses

Estes camisolas 7 do futebol nacional são três dos jogadores portugueses que mais dinheiro geraram aos seus clubes em merchandising. Camisolas, cachecóis e até porta-chaves, tudo serve para maximizar estas contratações.

A venda de João Félix do SL Benfica para o Atlético Madrid, no valor de 126 milhões de euros, tornou-se a mais cara de sempre no futebol português. A chegada do jovem de 19 anos a Madrid, já rendeu em dois dias um milhão de euros aos ‘colchoneros’ só em vendas de camisolas.

Recuando quase 20 anos, Luís Figo mudou-se em 1999 do Barcelona para o Real Madrid e a sua chegada aos madrilenos rendia diariamente em merchandising (camisolas, cachecóis, gorros ou fotografias do português) pouco mais de cinco mil euros.

Já a chegada de Cristiano Ronaldo ao Real Madrid em 2009, levou a loja do clube a vender em 24 horas (após a sua apresentação) duas mil camisolas com o número 9 em apenas duas horas, a um ritmo de 15 unidades vendidas por minuto.

O português havia de superar largamente estes números, quando o ano passado trocou o Real Madrid pela Juventus, com o emblema italiano a lucrar só com as vendas de camisolas no primeiro mês, 55 mil euros.

Recomendadas

Liga NOS tem mais 24,8 milhões de seguidores esta época. Reforços do Sporting CP lideram nas redes sociais

Num estudo que apenas abrange os novos jogadores que chegam à Liga NOS na época 2019/20, é possível constatar que os reforços dos ‘leões’ contribuem com 7,1 milhões de seguidores nas redes sociais, com Jesé Rodríguez a trazer a maior fatia de adeptos

Félix ou Félis? Calma, o João explica

Félis e Félix. A questão sobre como se pronuncia o apelido do internacional português que alinha pelo Atlético de Madrid continua a gerar controvérsia nas redes sociais.

“Benfica já levou alguns ’embrulhos’ de Jorge Mendes”

Na última edição do ‘Jogo Económico’, Luís Miguel Henrique analisou a relação dos três grandes com o ‘super-agente’ Jorge Mendes. Apesar da relação privilegiada de Mendes com as ‘águias’, o clube da Luz já levou alguns ‘barretes’, defende o advogado e consultor.
Comentários