Figo, Ronaldo e Félix. Ninguém vende camisolas como os portugueses

Estes camisolas 7 do futebol nacional são três dos jogadores portugueses que mais dinheiro geraram aos seus clubes em merchandising. Camisolas, cachecóis e até porta-chaves, tudo serve para maximizar estas contratações.

A venda de João Félix do SL Benfica para o Atlético Madrid, no valor de 126 milhões de euros, tornou-se a mais cara de sempre no futebol português. A chegada do jovem de 19 anos a Madrid, já rendeu em dois dias um milhão de euros aos ‘colchoneros’ só em vendas de camisolas.

Recuando quase 20 anos, Luís Figo mudou-se em 1999 do Barcelona para o Real Madrid e a sua chegada aos madrilenos rendia diariamente em merchandising (camisolas, cachecóis, gorros ou fotografias do português) pouco mais de cinco mil euros.

Já a chegada de Cristiano Ronaldo ao Real Madrid em 2009, levou a loja do clube a vender em 24 horas (após a sua apresentação) duas mil camisolas com o número 9 em apenas duas horas, a um ritmo de 15 unidades vendidas por minuto.

O português havia de superar largamente estes números, quando o ano passado trocou o Real Madrid pela Juventus, com o emblema italiano a lucrar só com as vendas de camisolas no primeiro mês, 55 mil euros.

Recomendadas

“Estava tudo previsto”. Como a NBA geriu a pandemia da Covid-19

Em entrevista ao JE, Carlos Barroca, vice-presidente de Operações da NBA Ásia, explica como a Liga de basquetebol previu este contratempo e como estas situações devem estar sempre acauteladas nos contratos para que não aconteça o que sucedeu na Europa, por exemplo.

La Liga altera estatutos para facilitar acesso a financiamento bancário

A mudança nos regulamentos tem como grande objetivo dar as mesmas garantias aos fundos e bancos de investimento, que o Tesouro, a Segurança Social ou os jogadores já têm.

AdC ordena Liga de Clubes a suspender impedimento de contratação de jogadores que rescindam devido à pandemia

“A medida cautelar hoje decidida pela AdC impõe-se perante o potencial impacto grave e irreparável de uma prática suscetível de lesar as regras da concorrência e que foi objeto de abertura de um inquérito tendo por visada a LPFP”, esclarece a AdC.
Comentários