Figo, Ronaldo e Félix. Ninguém vende camisolas como os portugueses

Estes camisolas 7 do futebol nacional são três dos jogadores portugueses que mais dinheiro geraram aos seus clubes em merchandising. Camisolas, cachecóis e até porta-chaves, tudo serve para maximizar estas contratações.

A venda de João Félix do SL Benfica para o Atlético Madrid, no valor de 126 milhões de euros, tornou-se a mais cara de sempre no futebol português. A chegada do jovem de 19 anos a Madrid, já rendeu em dois dias um milhão de euros aos ‘colchoneros’ só em vendas de camisolas.

Recuando quase 20 anos, Luís Figo mudou-se em 1999 do Barcelona para o Real Madrid e a sua chegada aos madrilenos rendia diariamente em merchandising (camisolas, cachecóis, gorros ou fotografias do português) pouco mais de cinco mil euros.

Já a chegada de Cristiano Ronaldo ao Real Madrid em 2009, levou a loja do clube a vender em 24 horas (após a sua apresentação) duas mil camisolas com o número 9 em apenas duas horas, a um ritmo de 15 unidades vendidas por minuto.

O português havia de superar largamente estes números, quando o ano passado trocou o Real Madrid pela Juventus, com o emblema italiano a lucrar só com as vendas de camisolas no primeiro mês, 55 mil euros.

Recomendadas

“João Félix pode ser um jogador, como os ingleses chamam, ‘outstanding’”

Em entrevista ao programa ‘Jogo Económico’, Pedro Mil-Homens, responsável máximo pela formação do SL Benfica, mostrou convicção de que João Félix vai vingar no futebol internacional.

“Atlético de Madrid? Se fosse o João Félix este não seria o projeto desportivo que escolheria”

No programa ‘Jogo Económico’, Pedro Mil-Homens, o diretor da Caixa Futebol Campus, academia do SL Benfica, garantiu que, no lugar de João Félix, nunca escolheria o Atlético de Madrid como projeto desportivo.

“Jorge Jesus não deu consentimento para a entrada dos adeptos em Alcochete”, diz advogado do treinador

Em declarações ao Jornal Económico, Luís Miguel Henrique, responde às afirmações do advogado de um dos arguidos no processo, que esta segunda-feira referiu ter sido o técnico a permitir a entrada dos adeptos na Academia de Alcochete, e não Bruno de Carvalho.
Comentários