Filho de Bolsonaro desiste de ser embaixador nos Estados Unidos

Eduardo Bolsonaro já tinha anunciado que possuía credenciais para ocupar o cargo em Washington: “Melhorei o meu inglês” e “já fritei hambúrgueres lá nos EUA”.

DR Arthur Max/MRE/Flickr

O filho de Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, anunciou na passada terça-feira, 22 de outubro, que desistia de tentar ocupar o cargo de embaixador do Brasil nos Estados Unidos da América. A polémica instalou-se este verão quando o presidente brasileiro sustentou que existia a possibilidade do deputado do PSL-SP assumir o cargo uma vez que era “amigo dos filhos de Donald Trump, fala inglês, fala espanhol, tem vivência muito grande de mundo”.

No entanto, na passada segunda-feira, o presidente do Brasil assumiu que preferia que o filho permanecesse no Brasil de forma a “pacificar” o PSL-SP, que atualmente vive uma crise interna. A preferência de Jair Bolsonaro vai persistir, uma vez que o seu filho garantiu desistir da ideia de ser embaixador.

Ainda assim, antes da crise do partido, Eduardo Bolsonaro visitou alguns senadores norte-americanos para obter apoio para a indicação de embaixador, que precisava de ser aprovada pelos membros do Senado dos EUA, mas na sua viagem encontrou resistência da parte dos líderes parlamentares que integram o Senado.

“Foi uma decisão em que já estava a pensar há muito tempo. Ouvimos o conselho de muita gente. Além disso, tem a questão do meu eleitorado”, afirmou Eduardo Bolsonaro aos jornalistas após o seu discurso. “Seria um papel a ser desempenhado, mas aqui no Brasil acho que também tenho um papel tão ou mais importante”, sublinhou.

O deputado Eduardo Bolsonaro classificou a embaixada do Brasil nos EUA como “um ponto fulcral” na diplomacia internacional, uma vez que “estar próximo dos EUA é estar do lado da boa diplomacia”.

No mês de julho, quando surgiu a polémica, Eduardo Bolsonaro declarou que tinha competências para assumir o cargo de embaixador devido às suas credenciais e “vivências pelo mundo”. “Sou presidente da Comissão das Relações Exteriores, tenho vivências pelo mundo, já fiz intercâmbio, já fritei hambúrgueres lá nos EUA, no frio do Maine, estado que está na fronteira com o Canadá, no frio do Colorado, numa montanha”, sustentou em julho.

“Melhorei o meu inglês, vi como é o trato recetivo do americano para com os brasileiros”, declarou o deputado. Dias depois das declarações do filho, o presidente brasileiro sustentou que pretendia beneficiar o seu terceiro filho. “Se eu puder dar um ‘filé mignon’ ao meu filho, eu dou”, afirmou Jair Bolsonaro a 19 de julho.

Ler mais
Relacionadas

Bolsonaro e a nomeação do filho para embaixador nos EUA: “Tem que ser filho de alguém, então por que não pode ser meu?”

Eduardo Bolsonaro já veio a público defender que tem competências para ocupar o cargo de embaixador em Washington: “Tenho vivências pelo mundo, já fiz intercâmbio, já fritei hambúrgueres lá nos Estados Unidos”.

“Já fritei hambúrgueres lá nos Estados Unidos…”, argumenta filho de Bolsonaro

“Falo inglês, falo espanhol, sou o deputado mais votado da história do Brasil. As credenciais dão-me uma certa qualificação”, disse Eduardo Bolsonaro, declarando que tem competências para assumir o cargo.

“Dar uns churrascos e uns tiros no quintal”. Filho de Bolsonaro já se vê como embaixador dos EUA

“É amigo dos filhos de Donald Trump, fala inglês, fala espanhol, tem vivência muito grande de mundo”. Assim justificou Jair Bolsonaro a nomeação do filho Eduardo para embaixador norte-americano. As redes sociais já começaram a reagir aos atributos do filho do presidente do Brasil.

“Se está sendo tão criticado, é sinal de que é a pessoa adequada”. Bolsonaro insiste em nomear o filho como embaixador dos EUA

“Por vezes, temos tomado decisões que não agradam a todos, como a possibilidade de indicar para a embaixada um filho meu, tão criticada pelos media. Se está sendo tão criticado, é sinal de que é a pessoa adequada”, disse o Presidente brasileiro, numa sessão solene na câmara baixa parlamentar.
Recomendadas

Londres destrói um milhão de moedas comemorativas do Brexit

As moedas cunhadas para marcar o divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, que estava agendado para 31 de outubro, estão a ser derretidas porque Boris Johnson falhou o prazo. O custo da produção e destruição das moedas será suportado pelos contribuintes britânicos.

“Incorreto e inapropriado”. Assessor da Casa Branca critica telefonema de Trump ao homólogo ucraniano

Alexander Vindman, especialista sobre a Ucrânia do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, disse hoje que ficou “preocupado” enquanto tirava notas do telefonema entre Donald Trump e Zelensky, em 25 de julho – a chamada que está no centro do inquérito para a destituição do Presidente dos EUA, em que Trump é acusado de ter tentando pressionar o homólogo ucraniano a investigar Joe Biden, rival político do líder norte-americano.

E se o Ártico ficasse sem gelo? Pode acontecer em 2044

Tendo como base diversos fenómenos e os acontecimentos atuais, algumas previsões apontam que o mês de setembro em 2026 já não vai conseguir ter gelo, enquanto outras previsões apontam que o degelo total só deverá acontecer em 2132, a muitos anos de distância.
Comentários