Filho de Marcelo sugere que pai se recandidata a segundo mandato

“Não vejo como é que ele consiga explicar aos portugueses que não seria candidato no próximo ano”, disse Nuno Rebelo de Sousa ao Expresso sobre um segundo mandato do Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República

Nuno Rebelo de Sousa, filho do presidente da República, considerou que “estes dois mandatos do meu pai vão ser muito bons para Portugal”, em declarações ao jornal “Expresso”, dando como certo um segundo mandato de Marcelo Rebelo de Sousa em Belém.

“Não vejo como é que ele consiga explicar aos portugueses que não seria candidato no próximo ano”, disse Nuno Rebelo de Sousa ao semanário, segundo a edição imprensa deste sábado.

À margem da Web Summit, onde esteve presente enquanto presidente da Federação das Câmaras Portuguesas de Comércio no Brasil, Nuno Rebelo de Sousa afirmou ainda que “toda a gente parece gostar do estilo que ele tem, uma presidência aberta, comunicativa, simples”.

Após a intervenção cirúrgica a que foi submetido, o Presidente da República disse que a “recuperação é um fator positivo para ponderar a minha recandidatura”. Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou, após alta hospitalar, que essa “ponderação será feita em outubro”, mas que, neste momento, se sente “verdadeiramente bem”.

Recomendadas

Ministro do Ambiente diz que caudais do Tejo vão recuperar ainda este ano

O ministro do Ambiente disse hoje que o compromisso espanhol é que, em meados de dezembro, a barragem de Cedilho, no Tejo, “já terá uma quantidade de água” que permitirá o cumprimento da Convenção de Albufeira “sem qualquer sobressalto”.
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo considera aumento do salário mínimo “razoável” e promulga hoje o diploma

O Presidente da República vai promulgar hoje o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera “uma solução razoável, a pensar na economia e na sociedade portuguesa”.

Parlamento chumba valorizações salariais dos docentes do Ensino Superior

As quatro iniciativas legislativas, que abriam a porta à progressão na carreira de quase 10 mil docentes, contaram com o votos contra do PS e a abstenção do PSD, CDS-PP e Chega.
Comentários