Filho de Marcelo sugere que pai se recandidata a segundo mandato

“Não vejo como é que ele consiga explicar aos portugueses que não seria candidato no próximo ano”, disse Nuno Rebelo de Sousa ao Expresso sobre um segundo mandato do Presidente da República.

Nuno Rebelo de Sousa, filho do presidente da República, considerou que “estes dois mandatos do meu pai vão ser muito bons para Portugal”, em declarações ao jornal “Expresso”, dando como certo um segundo mandato de Marcelo Rebelo de Sousa em Belém.

“Não vejo como é que ele consiga explicar aos portugueses que não seria candidato no próximo ano”, disse Nuno Rebelo de Sousa ao semanário, segundo a edição imprensa deste sábado.

À margem da Web Summit, onde esteve presente enquanto presidente da Federação das Câmaras Portuguesas de Comércio no Brasil, Nuno Rebelo de Sousa afirmou ainda que “toda a gente parece gostar do estilo que ele tem, uma presidência aberta, comunicativa, simples”.

Após a intervenção cirúrgica a que foi submetido, o Presidente da República disse que a “recuperação é um fator positivo para ponderar a minha recandidatura”. Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou, após alta hospitalar, que essa “ponderação será feita em outubro”, mas que, neste momento, se sente “verdadeiramente bem”.

Recomendadas

10 de Junho celebrado nos Jerónimos com discursos de Tolentino Mendonça e do Presidente

O Dia de Portugal vai ser assinalado com uma “cerimónia simbólica” no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, às 11:00 de 10 de Junho, com discursos do presidente das comemorações, cardeal Tolentino Mendonça, e do chefe de Estado.

PSD não se opõe a que Governo “encomende o trabalho a quem quer que seja”, mas defende que “interlocutores têm de ser ministros”

O presidente do PSD não rejeita a hipótese de António Costa Silva poder estar presente nas reuniões que o Governo terá com os partidos e parceiros sociais para discutir o plano de recuperação da economia, mas sublinha que o gestor da Partex não pode ser “o interlocutor para os partidos da oposição e para a Assembleia da República”.

BE quer que Fisco deixe de cobrar portagens e dívidas das concessionárias de autoestradas

A medida visa acabar com a utilização de recursos públicos para a cobrança de dívidas de entidades privadas, com o BE a defender que o Fisco se tornou nos últimos anos uma espécie de “‘cobrador do fraque’ das concessionárias de autoestradas”.
Comentários