Filho do secretário de Estado da Proteção Civil fez contratos com o Estado, mas lei proíbe

Os três contratos celebrados superam os dois milhões de euros. José Artur Neves afirmou que desconhece “a existência de qualquer incompatibilidade neste domínio”, como diz desconhecer “também a celebração de tais contratos”

O filho do secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, realizou três contratos com o Estado após o pai deixar a presidência da câmara de Arouca e ter assumido um lugar no Governo, revela o jornal Observador.

Nuno Neves é descendente direto de José Artur Neves e detém uma participação de 20% na empresa Zerca, apresentando mais do dobro do que é permitido por lei.

O jornal escreve que esta situação, prevista na lei, determina a demissão de José Artur Neves numa altura em que a a sua Secretaria de Estado está envolvida na polémica relacionada com os ‘kits’ de proteção contra incêndios no âmbito do programa “Aldeia Segura, Pessoas Seguras” que já levou à demissão do seu adjunto Francisco Ferreira, na segunda-feira, 29 de julho.

A lei é explícita e assume que a família direta de um titular que ocupe um cargo político não pode prestar bens ou serviços ao Estado. Caso isto aconteça, “os titulares de cargos de natureza não eletiva, com a exceção do primeiro-ministro” são confrontado com “a demissão”.

Em resposta ao Observador, José Artur Neves afirmou que desconhece “a existência de qualquer incompatibilidade neste domínio”, como diz desconhecer “também a celebração de tais contratos”. Estes contratos foram realizados com a empresa Zerca, da qual Nuno Neves é dono de 20%.

Nestes três contratos, dois foram celebrados com a Universidade do Porto, sendo um por concurso público no valor de 14,6 mil euros e outro por ajuste direto no valor de 722 mil euros. O terceiro, que também foi por concurso público, foi celebrado com a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e o valor ascendia a 1,4 milhões de euros, para a construção de uma urbanização na Póvoa de Santa Iria.

Segundo o jornal, a lei das incompatibilidades e impedimentos dos titulares de cargos políticos e altos cargos públicos estabelece que “as empresas cujo capital seja detido numa percentagem superior a 10% por um titular de órgão de soberania ou titular de cargo político, ou por alto cargo público, ficam impedidas de participar em concursos de fornecimento de bens ou serviços, no exercício de atividade de comércio ou indústria, em contratos com o Estado e demais pessoas coletivas públicas

Em proibição decorrem também os “seus ascendentes e descendentes em qualquer grau e os colaterais até ao segundo grau”, sendo que as empresas “em cujo capital o titular do órgão ou cargo detenha, direta ou indiretamente, por si ou conjuntamente com os familiares referidos na alínea anterior, uma participação não inferior a 10%”.

Relacionadas
Francisco Ferreira

Governo de Costa já conta com 14 demissões devido a polémicas

Das demissões do ‘familygate’ ou as provocadas pelo ‘galpgate’, já saíram 14 governantes do Governo de António Costa devido a polémicas.

Como surgiu a polémica das golas inflamáveis?

O caso já levou o Ministério da Administração Interna a abrir um inquérito urgente sobre o sucedido e provocou a demissão do adjunto do secretário de Estado da Proteção Civil.

Golas antifumo. Demitiu-se o adjunto do secretário de Estado da Proteção Civil  

Francisco José Ferreira assumiu a sua responsabilidade pela escolha das empresas para o concurso das golas inflamáveis. O líder do PS/Arouca, de 30 anos, era padeiro numa pastelaria do irmão antes de integrar o Governo.
Recomendadas

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.
Nuno Melo e Francisco

Nuno Melo abre e Rodrigues dos Santos encerra escola de quadros da Juventude Popular

Atual líder centrista e o eurodeputado que pretende ser o próximo presidente do partido não se irão cruzar no hotel de Portimão onde decorre uma ação de formação que conta com convidados como o social-democrata Miguel Pinto Luz e o socialista Álvaro Beleza, presidente da SEDES.

PCP: “Não tem havido grande evolução” nas negociações com o Governo sobre o OE2022

Segundo Jerónimo de Sousa, o partido transmitiu a Marcelo Rebelo de Sousa a importância de o orçamento do próximo ano ter incluídas medidas essenciais, nomeadamente de valorização dos salários, das reformas e das pensões, reforço da rede de creches e dos serviços públicos.
Comentários