Filipa Martins: “Falar de branqueamento de capitais em relação ao CINM não faz sentido”

A associada da Abreu Advogados considera que o maior entrave para o investimento na Madeira é a acessibilidade. “Nunca foi tão caro chegar à Madeira”, refere a ex-diretora do Centro de Formalidades das Empresas no Funchal.

Cristina Bernardo

A advogada Filipa Torres Martins recusa associar qualquer falta de transparência financeira ao Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM). A associada da Abreu Advogados defende uma simplificação legislativa para tornar a região mais atrativa para os investidores e uma fiscalização de âmbito nacional à lavagem de dinheiro.

“Falar de branqueamento de capitais em relação ao CINM é um não assunto. Não faz sentido. As regras são exatamente as mesmas para o resto do país. O que há é uma redução da taxa de imposto, mas as empresas têm de cumprir as mesmas obrigações”, afirmou esta segunda-feira, na conferência “Do CINM à autonomia fiscal: Madeira, uma região regulada de fiscalidade atrativa”, organizada esta segunda-feira pelo Económico Madeira e o Jornal Económico, com o apoio da Abreu Advogados e o alto patrocínio do Governo Regional.

A advogada do escritório da Madeira da Abreu defendeu uma “fiscalização maior, ir para o terreno e aplicar a lei” para prevenir o branqueamento de capitais, quer nas regiões autónomas quer em Portugal continental.

Na Madeira há 20 anos, Filipa Torres Martins destaca os serviços administrativos e os pólos tecnológicos, mas aponta a “dificuldade” dos quadros qualificados e os transportes para chegar à ilha.

“O maior problema da Madeira para o investimento neste momento é a acessibilidade. Nunca foi tão caro chegar à Madeira”, lamenta a ex-vogal do Conselho Diretivo do Instituto de Desenvolvimento Empresaria e antiga diretora do Centro de Formalidades das Empresas no Funchal.

Recomendadas

Marsh Portugal entra no negócio de Private Equity e Fusões e Aqusições

Com a presença do Pedro Pereira, a Marsh Portugal reforça o seu posicionamento enquanto consultor de riscos, com uma equipa dedicada à prática de Private Equity e Mergers & Acquisitions.

Vítor Santos: “Rotatividade faz-se quase sempre entre as Big Four”

A rotavidade do auditor imposta pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários “é positiva”, mas na maioria das vezes não abrange as auditoras de pequena dimensão, diz o sócio de Auditoria da DFK & Associados.

PremiumO advogado que ensinou gerações de estudantes de Direito

Com a fundação da Cuatrecasas/Gonçalves Pereira, o advogado protagonizou uma das mais importantes fusões da advocacia ibérica. Ao longo da carreira representou o país em organismos internacionais. Faleceu no passado dia 9 de setembro, aos 83 anos.
Comentários