PremiumFilipa Roseta: “Estou bastante indignada com a atuação do Governo”

Habitação e mobilidade, aliadas à sustentabilidade, são áreas de atuação prioritária de Filipa Roseta. Aos 46 anos, a vereadora de Cascais recusa ser colada ao percurso político dos pais e diz que o foco é a denúncia das “falhas gigantes” de António Costa.

A vereadora da Câmara de Cascais é a escolhida por Rui Rio para liderar a lista do PSD por Lisboa. Em entrevista ao JE, fala da necessidade de renovação no Parlamento e nos benefícios de caras novas para a saúde da democracia. A habitação e mobilidade são os temas prioritários que vai levar ao Parlamento. Depois de ter decidido entrar para o PSD após a reeleição de José Sócrates, em 2009, por sentir que “devia atuar” para conter uma governação que considerava “má demais”, foi com o mesmo sentido de dever ao país que aceitou o desafio do líder social-democrata.

Ficou surpreendida com o desafio de Rui Rio para liderar a lista do PSD por Lisboa?
Não estava mesmo à espera desta nomeação. Agora que aceitei, sei que é uma grande responsabilidade. É preciso avançar por caminhos mais alternativos para conseguir provar que podemos ser alternativa ao atual Governo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumTomás Correia impugna condenação do Banco de Portugal

O atual presidente da Associação Mutualista Montepio Geral entregou no fim de maio no Tribunal de Santarém a ação de impugnação do processo de contraordenação que aplicou uma multa de 1,25 milhões. O Jornal Económico sabe a juíza aceitou a ação de impugnação e, “ao contrário do Ministério Público vai chamar testemunhas”, diz fonte conhecedora do processo.

Premium“Há efetivamente uma necessidade de mudança na Madeira”

Miguel Gouveia acredita que o PS poderá vencer as regionais. O autarca destaca que Cafôfo tem capacidade de diálogo para forjar coligações.

PremiumMagistrados criticam “equívocos” salariais

Tal como os juízes conselheiros, os magistrados do Ministério Público também vão poder ganhar mais do que o primeiro-ministro.
Comentários