PremiumFilipa Roseta: “Estou bastante indignada com a atuação do Governo”

Habitação e mobilidade, aliadas à sustentabilidade, são áreas de atuação prioritária de Filipa Roseta. Aos 46 anos, a vereadora de Cascais recusa ser colada ao percurso político dos pais e diz que o foco é a denúncia das “falhas gigantes” de António Costa.

A vereadora da Câmara de Cascais é a escolhida por Rui Rio para liderar a lista do PSD por Lisboa. Em entrevista ao JE, fala da necessidade de renovação no Parlamento e nos benefícios de caras novas para a saúde da democracia. A habitação e mobilidade são os temas prioritários que vai levar ao Parlamento. Depois de ter decidido entrar para o PSD após a reeleição de José Sócrates, em 2009, por sentir que “devia atuar” para conter uma governação que considerava “má demais”, foi com o mesmo sentido de dever ao país que aceitou o desafio do líder social-democrata.

Ficou surpreendida com o desafio de Rui Rio para liderar a lista do PSD por Lisboa?
Não estava mesmo à espera desta nomeação. Agora que aceitei, sei que é uma grande responsabilidade. É preciso avançar por caminhos mais alternativos para conseguir provar que podemos ser alternativa ao atual Governo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEstímulo Monetário: O risco de ressaca num mundo viciado em dívida

O medo de uma crise financeira, além da inevitável recessão provocada pela Covid-19, levou os bancos centrais a injetar liquidez no sistema, em doses gigantescas de compras de ativos. A receita está a funcionar, mas o vício do ‘Quantitative Easing’ pode resultar numa ressaca, e embora não seja provável que a inflação acelere, a verdade é que os bancos centrais compraram mais risco e criaram uma montanha de dívida que um dia terá de ser paga, alertam os economistas consultados pelo JE.

PremiumPedro Moura: “Plataforma de gestão das florestas dá para relançar a economia”

Ex-CEO da Portucel Moçambique e especialista em gestão florestal, Pedro Moura diz que a produção eficiente de 70% do território permitiria criar muitos empregos no interior de Portugal e produzir biomassa para centrais elétricas 100% renováveis.

PremiumIPMA pondera candidatura a fundos europeus para poder detetar sismos

Caracterizar com detalhe a atenuação sísmica e desenvolver um sistema de alerta precoce são algumas das melhorias a introduzir, salienta o IPMA.
Comentários